A popular frase “a cabeça pensa a partir de onde os pés pisam” tem vários sentidos e interpretações. E uma dessas leituras, tranquilamente, pode ser associada aos clássicos pisos muito presentes nos subúrbios cariocas: o Piso Suburbano. Pisos esses que trazem muitas lembranças para diversas pessoas.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Para quem ainda não entendeu, o “Piso Suburbano” é essa junção de cacos de azulejos (iguais aos da foto da matéria), dominantemente vermelhos, muito presentes nos muros e no chão de casas nas Zonas Norte e Oeste da cidade do Rio de Janeiro. Sobretudo nos quintais. 

Quando se fala em “cacos” não é força de expressão. Tudo começou na década de 1940.  Nesta época, São Paulo tinha duas grandes fábricas de cerâmica. Entre os produtos fabricados, existia uma lajota de 20×20 cm, nas cores vermelha, amarela e preta. A falta de cuidado no processo de criação e transporte causava muitos acidentes e inúmeras peças se quebravam, virando pedaços das colorações citadas.

Pobres, os trabalhadores dessas fábricas, que não podiam comprar as peças inteiras, usavam os pedaços, cacos, nas reformas de suas casas.

“Começando em São Paulo, a situação chegou ao Rio de Janeiro e se espalhou por todo o país. O processo era o mesmo: as fábricas faziam as peças inteiras, que eram caras para os trabalhadores, então, eles pegavam os pedaços – que eram muitos – e levavam para suas casas, às vezes compravam mais barato, às vezes pegavam escondido”, informa o pesquisador Rodrigo Leite.

De acordo com o site Sou Méier, “A cor vermelha se tornou mais popular, porque era a mais comum e, consequentemente, a mais barata”.

Como os subúrbios cariocas eram, predominantemente, habitados por operários, a moda pegou nas Zonas Norte e Oeste da cidade do Rio de Janeiro. Muitas casas ainda guardam essas memórias de chão, muros e bases.

“Na casa da minha avó, em Vaz Lobo, tem desse piso. Lembro de ter brincado muito quando era moleque. E minha mãe sempre falou que era mais fácil para limpar [risos]”, destaca o contador Maurício Abreu.

SERGIO CASTRO - A EMPRESA QUE RESOLVE, desde 1949
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

3 COMENTÁRIOS

  1. Na minha casa da infância, tinha – um caminho, do portão até a varanda.
    Depois, qdo meu pai fez uma extensão na casa, uma sala de jantar, lavanderia e maus um banheiro, usou na cor cinza mesclado com brilho. Qdo vi que colocaram rejunte da cor de cimento, pirei pq queria que fosse branco – lembro de tentar raspar mas, ñ consegui. Ficou bem feio e custei a me acostumar …

  2. Isso não se vê só em casas de operários não. Lembro de uma casa no Méier enorme, com piscina grande, churrasqueira grande e coberta, quintalzão, canil maior do que muito conjugado onde eventualmente ficavam dois cães, um Pointer e um Boxer, quando não estavam soltos, e mais a garagem dos carros, fora duas mangueiras diferentes, espada e carlotinha, além de cajá manga, coqueiro e outros arbustos. Não parecia ser casa de operário não.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui