Águas do Rio acusa governo de exagerar estatísticas de coleta de esgoto na privatização da Cedae

A concessionária afirma que o governo inflou os dados sobre a coleta de esgoto em diversas cidades atendidas pela concessionária, no edital de privatização do serviço em 2021

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Reprodução


A Águas do Rio, principal concessionária de saneamento, afirma que o governo inflou os dados sobre a coleta de esgoto em diversas cidades atendidas pela concessionária, no edital de privatização do serviço em 2021.

Em um ofício enviado à Agenersa (Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico) em 31 de outubro de 2023, a Águas do Rio indicou a necessidade de reequilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão. Essa revisão poderia impactar os investimentos previstos de R$ 24 bilhões, incluindo projetos como a despoluição da Baía de Guanabara.

Em resposta, o governo estadual afirmou que está avaliando os números do processo de concessão e que qualquer necessidade de ajuste poderá ser pleiteada pela concessionária.

A Águas do Rio afirma estar discutindo o assunto com a Agenersa e o governo desde novembro de 2023, reiterando seu compromisso com a execução do plano de investimentos. No entanto, o diagnóstico completo da empresa ainda não foi concluído. Ela informou à agência reguladora que ainda não teve tempo hábil para analisar todos os documentos enviados pela Cedae, antiga responsável pelo saneamento básico na região, mas promete finalizar o estudo até abril.

Advertisement

Apesar disso, a concessionária já identificou uma “drástica discrepância” entre os percentuais informados pela Cedae durante a modelagem da licitação e os dados reais em municípios populosos, como Duque de Caxias, São Gonçalo, Nova Iguaçu, Belford Roxo, Itaboraí e Mesquita.

O Governo Estadual emitiu uma nota contestando as alegações feitas pela concessionária, afirmando que o desconhecimento sobre a divergência nas dimensões da rede de esgoto não é confiável. “Não houve qualquer manipulação de dados ou índices inflados para enganar o mercado durante o processo de concessão. Tal atitude seria ilógica, pois reduziria a necessidade de investimentos para o cumprimento das metas reais e geraria um contrato que inevitavelmente levaria a revisões extraordinárias, adiamento de obras e prejuízos à população”, afirma a nota.

O Governo do Estado declara ainda que a Águas do Rio assumiu o sistema antes do prazo, encerrando a operação compartilhada em 90 dias, ao invés dos 180 dias previstos no edital.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Águas do Rio acusa governo de exagerar estatísticas de coleta de esgoto na privatização da Cedae
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui