Alessandro Valentim – Benzimento: cura e proteção

Foto: Rodrigo Di Castro

Você se lembra de ter ido a uma rezadeira na infância? O cheiro de planta, as mãos se movendo em sua direção e as palavras ditas de forma rápida que nem sempre dava para compreendê-las. Muitas vezes eram senhoras indicadas por quem já havia alcançado graças com as rezas. Para finalmente cicatrizar a ferida insistente ou espantar o mau-olhado, elas estavam lá.

No Brasil, defendem que a origem do benzimento veio com a colonização como uma herança do catolicismo português, bem como também acreditam que a prática iniciou ou adaptou seus fundamentos com influência indígena e africana. Fato é que o benzimento carrega a fé e o conhecimento de muitos povos.

A nossa coluna viajou para Ibirajá, distrito de Itanhém-BA. Lá vive uma rezadeira que pediu para não ser identificada, pois ela não gosta de exposição. Enquanto conversávamos na companhia dos seus dois papagaios, crianças e adultos que passavam pelo seu portão pediam bênção à senhora.

Ela contou que aprendeu a rezar aos 11 anos de idade com um senhor conhecido como Velho Chico. ‘’Ele fazia o bem sem cobrar nada para ninguém, então eu acreditei que assim poderia me aproximar de Deus e conquistar as graças de Deus’’, afirmou a rezadeira.
Para a coluna, ela falou ainda que a reza mais marcante que já realizou foi quando uma grávida estava perdendo o seu bebê e a procurou. A criança nasceu bem após a prática e as recomendações da senhora. Ela não precisa de muito para rezar, basta as palavras que nunca esqueceu e ingredientes facilmente encontrados como talo de mandioca, mamão e de mamona. E acreditem, há quem diga que para as dores, o efeito das rezas feitas apenas pelas mãos da rezadeira é mais rápido.

Quem vive nas fazendas da região também conta com rezas para o dia a dia nas propriedades. Neném Negrini, que cria animais e cuida com muito zelo de uma grande horta, conversou com a nossa coluna e revelou que já precisou espantar algumas cobras que ameaçavam o seu galinheiro, mas elas só pararam de aparecer mesmo quando um outro senhor discreto de Ibirajá fez a famosa reza para espantar cobras das casas. De acordo com Neném, os fazendeiros o procuram bastante para rezar os gados e acabar com as feridas dos animais.

As rezadeiras têm futuro?

No próximo dia 29 acontecerá o lançamento oficial do livro ‘’Plantaria: magia verde’’ da autora Pris Mariano às 17h na Casa de Cultura de Jacarepaguá. Pris também é autora das obras ‘’Oráculo de reza’’ e ‘’Benzedura ancestral: saberes de ontem para o hoje bendito’’. Para ela, está cada vez mais raro encontrar benzedeiras em razão da falta de valorização dos ensinamentos ancestrais e da cultura, assim como por dominação de alguns líderes religiosos, que acabam fazendo as pessoas acreditarem que não estão prontas para benzer. ‘’Estar pronto para benzer é um ato de bem querer, logo, todos podem e devem acessar esse ato de acolhimento e amor de forma consciente e consistente’’, afirmou Pris.

Pris Mariano é cantora da dupla Rosa Amarela com Rodrigo Di Castro. O benzimento está na sua vida desde a infância ‘’Fui despertada pelo contato com minhas mais velhas. Minha mãe era uma mulher de muita fé. Minha vó benzia, sempre cuidava de mim e me rezou muito quando eu era criança’’, contou a cantora.

Sobre o livro ‘’Plantaria: magia verde’’, Pris explica que o livro aborda o uso das plantas de forma mágica. ‘’O nosso país é rico em práticas de magia popular. Sendo nossa também uma infinidade de plantas na farmacopeia tradicional. Unir os dois saberes é um ato de magia verde como apresento no livro’’, completou a autora.

Para encerrar a coluna da semana, uma definição de benzimento pelas palavras da escritora: ‘’Benzimento é carinho e amor, antes de mais nada. Desde uma criança com terror noturno, até um animal com perda de peso, todos carecem de rezas. No benzer, palavras mágicas são ferramentas constantes. O ato da benzedura carrega reza e elementos que derivam da magia natural. Saber combinar tudo isso já é a benzedura em questão’’.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui