André Luiz Pereira Nunes: As saudosas peladas da infância

Colunista do DIÁRIO DO RIO lembra com saudade das brincadeiras de criança

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Quando garoto, não havia certas facilidades que ora se oferecem por aí em cada esquina. Eram poucas as lojas de artigos esportivos e seus itens eram raros de serem encontrados.

Disputávamos peladas nas ruas, praças, calçadões, como o do Maracanã, em frente à Escola Municipal Arthur Friedenreich, ou em campos de terra batida, como o da Quinta da Boa Vista. Não existiam muitas quadras e sequer gramados sintéticos.

Camisas oficiais eram artigo de luxo. Não, nada disso. Nas peladas, os times, para se diferenciarem, jogavam com e sem camisa no melhor estilo casados contra solteiros.

Na falta de uma bola decente, usava-se uma qualquer cedida ou emprestada. O problema dessa prática é que a brincadeira poderia ser encerrada no momento em que o dono resolvia ir voluntariamente para casa. Ou quando a mãe irremediavelmente vinha buscá-lo, não raro, puxando-o pelas orelhas.

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Tive ainda a sorte de presenciar peladas praticadas com bolas de meia. Meu pai, inclusive, me iniciou na prática de criá-las. Amassava-se uma bola de papel, fazendo com que esta ficasse o mais roliça possível e depois envolviam-se meias velhas. Até mesmo a amarração era feita com as próprias meias, esgarçando uma pequena parte para que fosse possível dar o nó.

Não havia juízes. O bom-senso “normalmente” imperava nas marcações. A alegria de praticar o futebol e, por alguns segundos, acreditar que se era o craque do momento, suplantava qualquer limitação.

Por um certo período pratiquei futebol de salão na saudosa Associação Atlética Vila Isabel. A bola era pequena e muito dura. Os laterais eram cobrados com as mãos e só valia gol fora da área. O piso era formado por tacos, que por vezes soltavam. Mas ouvir a rede estufando, após um chute certeiro, não tinha preço.

Contudo, nos fins de semana, férias e feriados imperava mesmo era a democrática prática do futebol de rua ou terra batida. Promovíamos, inclusive, desafios com a rapaziada da rua de cima, que eram marcados por intensa rivalidade.

Terminava as partidas com os joelhos completamente ralados, muito vermelho e suado, todavia, com a alma lavada.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp André Luiz Pereira Nunes: As saudosas peladas da infância

André Luiz Pereira Nunes é professor e jornalista. Na década de 90 já escrevia no Jornal do Futebol e colaborava com Almir Leite no Jornal dos Sports. Atuou como colunista, repórter e fotógrafo nos portais Papo Esportivo e Supergol. Foi diretor de comunicação do America.
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Este relato, fez-me lembrar dos meus tempos de criança no subúrbio de Ricardo de Albuquerque. Aquelas peladas descalças em ruas esburacadas, cheias de poeira, às vezes cheias de lama, eram animadas e nos deixavam completamente felizes. Éramos Pelés, Garrinchas, Didis e muitas vezes Niltons Santos.
    Hoje a alegria das crianças é falsa, é recheada de brincadeiras virtuais em que os adversários são imaginários. Pobres crianças deste século! Este é o século da depressão em crianças. Triste, muito triste, tristíssimo!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui