André Luiz Pereira Nunes: Federação Atlética Suburbana, um símbolo de organização esportiva

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre o papel desempenhado pela Federação Atlética Suburbana na construção do futebol carioca

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Na década de 30 as agremiações esportivas da cidade do Rio de Janeiro se encontravam espalhadas por diferentes ligas que compunham de forma desordenada o cenário do chamado futebol menor.

Por iniciativa do Engenho de Dentro, então campeão da Sub Liga, vinculada à Associação de Football do Rio de Janeiro (A.F.R.J.), foi criada, em 1936, a Federação Atlética Suburbana (F.A.S.) na tentativa de congregar os times amadores, a maioria relegada às divisões menores das demais associações.

Os clubes fundadores foram Engenho de Dentro Atlético Clube (Engenho de Dentro), Sport Club Mackenzie (Méier), Del Castilho Football Club (Del Castilho), Modesto Football Club (Quintino), River Football Club (Piedade), Adélia Football Club (Engenho de Dentro), Sport Club Abolição (Abolição), Club Atlético Central (Engenho Novo), Mavílis Football Club (Caju), Sport Club Oposição (Pilares), Magno Football Club (Madureira) e Argentino Football Club (Cascadura).

Toda a estruturação da Federação Suburbana nasceu de um almoço em homenagem a Mário Filho, pela passagem de seu aniversário na administração do Jornal dos Sports. O evento contou com a presença de figuras ilustres como Everardo Lopes, Álvaro do Nascimento, Sodré Viana, Petrônio de Avelar Rocha, Mário Rodrigues Filho, Henrique Gigante, Milton Rodrigues, Arlindo Monteiro, Augusto Rodrigues, Nélson Rodrigues, Altair Lima, Afrânio Vieira, Melo Júnior, Carlos Áreas, Raul Loureiro, Arquimedes Valentim, Hugo Rebelo, Ricardo Serran, Antônio Cordeiro e Geraldo Romualdo da Silva.

Advertisement

Leia também

Águas do Rio alega não saber sobre situação da Cedae mas presidente foi diretor da empresa – Bastidores do Rio

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

WhatsApp Image 2021 12 28 at 12.08.23 André Luiz Pereira Nunes: Federação Atlética Suburbana, um símbolo de organização esportiva

Foi nessa ocasião que Manuel Pereira da Costa, então presidente do Adélia, apoiado pelo Dr. João Machado, mandatário da Federação Atlética Suburbana, e Mário Calderaro, presidente do Engenho de Dentro, solicitaram a Mário Filho o apoio do Jornal dos Sports na divulgação dos certames da mencionada entidade.

O Modesto, de Quintino, sagrou-se campeão do Torneio Início, disputado no campo do River. O Del Castilho foi o vice-campeão.

Já o Mackenzie foi o vencedor da primeira edição, enquanto o Abolição ficou na segunda posição. Este último possuía praça de esportes na Rua Cantidia Maciel, no Largo da Abolição, por onde passavam os bondes de Cascadura e Engenho de Dentro.

A Federação Atlética Suburbana foi pioneira na formação de um departamento de árbitros totalmente independente e que não se sujeitava à intromissão de dirigentes nas escalações.

A entidade promoveu campeonatos até 1942, quando devido a imposições do Conselho Nacional de Desportos (C.N.D.), foi obrigada a se extinguir. Seus associados então tiveram que ser agrupados em uma única liga, a Federação Metropolitana de Futebol (FMF), integrando os certames das segunda e terceira categorias até serem definitivamente reunidos, em 1949, no saudoso e histórico Departamento Autônomo (D.A.).

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp André Luiz Pereira Nunes: Federação Atlética Suburbana, um símbolo de organização esportiva

André Luiz Pereira Nunes é professor e jornalista. Na década de 90 já escrevia no Jornal do Futebol e colaborava com Almir Leite no Jornal dos Sports. Atuou como colunista, repórter e fotógrafo nos portais Papo Esportivo e Supergol. Foi diretor de comunicação do America.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui