Andréa Nakane: A beleza oriunda de mãos sensíveis

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre Márcia Araújo, que investiu no artesanato, idealizando e confeccionando peças como jogo americano, nécessaire, chaveiros de retalhos entre outras

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Márcia Araújo, 56 anos, carioca de Madureira, se formou como professora, mas não exerceu a profissão, pois deu continuidade a veia comercial da família em um negócio e, posteriormente, migrou para o serviço público.

Com uma vida estabilizada, Márcia Araújo começou a investir no artesanato, idealizando e confeccionando peças como jogo americano, nécessaire, chaveiros de retalhos entre outras, isso lhe possibilitou resgatar memórias afetivas de sua infância, com a costura criativa.

Quando era criança ficava admirando minha mãe em sua lida na costura. Ela sempre fazia roupas para mim, e eu pensava… um dia vou aprender. Minha tia, irmã dela, também produzia peças de artesanato, e eu curiosa lhe indagava como ela conseguia criar tantas coisas bonitas, e ela simplesmente dizia: não sei, eu tento fazer… naquele tempo não tinha internet, eram as revistas os modelos… e eu ficava encantada… era muito legal ver tudo aquilo, e tudo que elas faziam tinha muito amor envolvido” relata Márcia Araújo.

Hoje, Márcia Araújo, tem nos vídeos e tutoriais do YouTube as referências e inspirações para sua própria costura criativa.

Advertisement

Leia também

AquaRio promove primeira sessão para pessoas com Autismo

Lula retorna ao Rio para inauguração do Terminal Gentileza nesta sexta-feira

Pretendo aprender cada vez mais. E também pretendo adquirir uma máquina industrial, pois por mais inacreditável que possa parecer, eu ainda faço minhas costuras com a máquina da minha mãe, que ainda funciona” conta Márcia Araújo.

Quando chegou a pandemia, em 2020, Márcia Araújo se dedicou mais ao desenvolvimento da sua arte, sobretudo com a linha de máscaras, tão demandadas na época. O que começou para atender a família e amigos, acabou se tornando uma fonte de receita extra, além, também de lhe possibilitar doar seu trabalho para muitas pessoas.

Márcia Araújo acredita que é possível, sim, viver do artesanato, além do ofício ser terapêutico, já que as pessoas precisam se focar no trabalho que estão fazendo e dessa forma acabam, momentaneamente, esquecendo das preocupações da vida.

O hobby do artesanato, está cada vez mais presente no dia-a-dia de Márcia Araújo, que conta com o apoio da família na divulgação do seu trabalho, por meio das redes sociais @meudoceartesanato.

A peça de maior saída de Márcia Araújo é a necessaire e os valores das peças variam de R$ 8,00 à R$ 100,00.

Para quem deseja lapidar suas habilidades no artesanato, Márcia Araújo, aconselha: “Comece, tente fazer alguma coisa. Mesmo que você erre, desmanche, faça de novo, o importante é tentar. Eu digo sempre que estou em constante aprendizado. Cada dia aprendo um pouquinho aqui e ali e vou me aventurando no mundo.”

E ela ainda salienta que a satisfação de finalizar um trabalho, lhe dá uma satisfação espetacular, incomparável, um mix de felicidade e orgulho de si.

Em um mundo cada vez mais tecnológico, mecanicista, o trabalho de artesão torna-se cada vez mais apreciado pela sociedade, pois desperta a beleza manual originária da sensibilidade e criatividade humana.

Que cada um desperte o artesão que há em si!

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Andréa Nakane: A beleza oriunda de mãos sensíveis

Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui