Andréa Nakane: A Memória Musical Viva da Era do Rádio 

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Emanuelle Gomes Pereira Mallete, ou simplesmente, Emanuelle Borba, 40 anos, é atriz e produtora, natural do Rio de Janeiro, moradora de Sepetiba e traz em sua família uma ligação muito especial com um dos maiores nomes da era do Rádio: Emilinha Borba.

Emanuelle Borba é sobrinha-neta daquela que é considerada uma das mais populares intérpretes do século XX no Brasil e conquistou uma apaixonada legião de fãs nos áureos tempos do Rádio, tendo conquistado por diversas vezes o título de Rainha.

Emilinha foi uma das primeiras mulheres que ocuparam papel de destaque na época em que o rádio era um sucesso e mesmo após o seu falecimento em 2005, aos 82 anos, seu legado continua muito vivo, por intermédio do trabalho de Emanuelle Borba.

O Espaço Cultural A Era do Rádio é uma instituição sem fins lucrativos, que tem como objetivo resgatar e preservar a cultura representativa do rádio no Brasil, com ênfase na região de Sepetiba, local que que Emilinha Borba viveu e é parte integrante da cultura local.

Advertisement

Leia também

Políticos têm dificuldades para confiar em Eduardo Paes – Bastidores do Rio

Rio terá megaferiado em novembro devido à reunião do G20; confira datas

O projeto realiza oficinas de rádio e audiovisual, capacitando agentes de comunicação popular em cultura, e mantém um acervo no museu comunitário. Além disso, promove eventos artísticos envolvendo dança, teatro, contação de histórias e música, todos dedicados a essa época e com foco no território.

“Pelo pioneirismo e importância na comunicação, Emilinha Borba não apenas abriu portas para novas gerações, mas também continuou a influenciar as futuras. Nascida na Mangueira, carioca, Emilinha enfrentou uma infância marcada pela vulnerabilidade social. Uma brasileira que alcançou o sucesso, ela moldou sua arte com base na superação, contando com o apoio fundamental de minha bisavó, que esteve ao seu lado desde o início. Minha bisavó não apenas apoiou Emilinha como também desafiou os padrões sociais conservadores dos anos 20 e 30, sendo a chefe de família e camareira de Carmen Miranda no Cassino da Urca, para sustentar a família.” declara Emanuelle Borba.

A iniciativa de concepção do espaço foi da própria Emanuelle Borba, há 14 anos e agora em 2023, foi contemplado para participar do programa de aceleração social, o Conecta+, com o apoio do Instituto Ekloos, com o apoio do Instituto Coca Cola do Brasil, o que aumentou a visibilidade da organização, inclusive com a fachada reformada pelo artista plástico Marcelo Ment, integrante da primeira geração de grafiteiros do Rio de Janeiro, que fez um mural feminino elaborado para homenagear Emilinha e outras mulheres, com imagens representando os rostos e nomes delas.

O ano de 2023 ainda foi marcado pela passagem dos 100 anos de Emilinha Borba, e  homenagens não faltaram no espaço cultural A Era do Rádio. 

“Apresentamos nosso sarau musical, que incluiu um repertório de marchinhas carnavalescas e boleros, inspirados na nossa artista, minha tia-avó Emilinha Borba e sem perder o ritmo, estamos projetando para o próximo ano a continuidade da celebração da arte e memória dos 100 anos de Emilinha, com muita música e samba. Iniciamos, junto ao senhor Pedro Ernesto, uma conversa e ajustes para uma parceria visando homenagear a nossa eterna Rainha do Rádio, Emilinha Borba, e o Cordão da Bola Preta para o Carnaval de 2024. Além disso, estamos estruturando a formação de novos agentes culturais por meio de projetos que estão sendo desenvolvidos com o apoio do programa de aceleração, focando na temática da memória do território e na arte feminina das vozes da era do rádio brasileiro.” conta Emanuelle Borba.

Iniciativas como esta precisam reverberar em todo o Brasil, fomentando cada vez mais cultura e, possibilitando que os grandes nomes que brilharam em toda a história da MPB, jamais sejam esquecidos pelas gerações que acompanharam suas trajetórias e, também, por aquelas novas, que tenham oportunidades de vir a conhecer toda sua grandeza e talento. E assim, a eternidade esteja garantida no panteão das grandes estrelas do nosso mundo artístico e em nossa memória viva.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Andréa Nakane: A Memória Musical Viva da Era do Rádio 

Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui