Foto: Reprodução/GloboNews

Nesta terça-feira (07/09), acontece um ato na orla de Copacabana, Zona Sul, em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. O ato, que lota as ruas, reúne apoiadores do presidente, que pedem por voto impresso e criticam o Supremo Tribunal Federal. Às 10h45, uma quantidade grande de pessoas ainda chegava à região. No fim da tarde, Prefeitura do Rio estimou 300 mil pessoas na manifestação.

Na concentração, carros de som tocam o Hino Nacional e músicas a favor de Bolsonaro. A caminhada em Copacabana teve início no Posto 5. No ato, quase ninguém usa máscara.

Os manifestantes estão majoritariamente vestidos de verde e amarelo e carregam bandeiras do Brasil. Muitos deles levam faixas, algumas delas até em inglês: “New STF, ICMS on fuel, printed vote” — em tradução livre, “novo STF, ICMS de combustíveis e voto impresso”, diz um dos cartazes.

A manifestação foi convocada por Bolsonaro, que incentivou as pessoas a ir às ruas em comemoração ao 199° aniversário da independência do Brasil.

9 COMENTÁRIOS

  1. Basicamente, o problema todo nasce na usurpação de poderes que a Suprema Corte vem a fazer quando fere o princípio de um inquérito que ela mesmo abre, instrui e julga. O único ser que fez, faz e fará isso com total isenção, transparência e justiça é apenas DEUS e jamais algum homem. Por isso que os homens criaram o sistema de um denunciante, outro pra instruir o processo e um terceiro julgador. Só por este fato, pelo menos o Sr. Moraes já deveria ser “impichado”.

    O Barroso também chamou o fantasma do impeachment pra si por outra razão, que começa lá no início da pandemia quando afirmou que qualquer decisão administrativa contra as regras da OMS seriam contrárias à Corte – um sinal de submissão estrangeira. Outros fatos decorrem da sua influência no Congresso na PEC do voto impresso – quando o juiz deveria ser NEUTRO quanto à atividade congressual.

    E pra fechar: pedir a saída de juízes do STF não é ir contra o STF. O STF é a instituição, não as pessoas que o compõem. As pessoas que o compõem estão sob o escrutínio da Lei e o cidadão tem o direito de questionar as suas elites.

    • Engano seu.
      O amiguinho imaginário não pertence ao mundo real. Logo, não existe, de quebra, no jurídico…
      O resultado da investigação não é direcionado à própria Corte. Trata-se o inquérito de peça de informação. E tem como destinatário a PGR. Ela, sim, que tem poder de oferecer, ou não, Denúncia.
      A Denuncia oferecida, os outros Ministros julgam, dando-se por suspeito (autodeclaração) aquele que conduziu o Inquérito – que, aliás, a própria PGR, como ainda a AGU, na época, reconheceram a constitucionalidade – depois o último órgão mudou entendimento para agradar ao chefe que quer implantar um califado no Brasil.

  2. O Dia da Independência parece que foi deixado para um segundo plano…
    Numa verdadeira e honesta leitura, vê-se em primeiro plano a idolatria o culto à uma pessoa.
    Veja que tem gente (que alega ser patriota) mesmo chega ao ponto de defender (conforme cartazes) intervenção com o Genocida no poder (absoluto?)

    E a Redação do Diário do Rio? Segundo diz o artigo:
    “O ato, que lota as ruas, reúne apoiadores do presidente, que pedem por voto impresso e criticam o Supremo Tribunal Federal”
    Pedem voto impresso?
    Criticam o STF?

    Vocês estão precisando de lupa (hein?)
    O que teve de cartaz pedindo intervenção com poderes absolutos para o Genocida, substituição de todos ministros do STF, quando não apenas um ou outro (sendo que pela Constituição apenas pode o Senado, em processo de impeachment motivado).
    Pessoal vai na carona da fala do Genocida que alega que um Ministro precisa ser contido pelo Presidente do STF… desconhece ou está mal acessorado porque não existe hierarquia no Tribunal. Quando está inconformado de um decisão do Ministro, utilizam-se recursos e acata a decisão do plenário da Corte.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui