Após oito anos, segundo grupo com 7 macacos-bugios é reintroduzido no Parque Nacional da Tijuca

Refaunação de um dos 25 primatas mais ameaçados de extinção no mundo começou no Parque em 2015, ano que marcou o fim da extinção local de 200 anos da espécie no PNT

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

O Parque Nacional da Tijuca (PNT) inicia 2024 com mais vida em suas florestas. No fim da manhã desta terça-feira (02/01), após oito anos, a ONG Refauna reintroduziu mais sete macacos-bugios (Alouatta guariba) no parque nacional mais visitado do Brasil. Juntos, esses animais formam a nova família que vai compartilhar a área de Mata Atlântica incrustrada no meio da cidade com um outro grupo de bugios, o qual começou a se formar em 2015. Há oito anos, a reintrodução de um primeiro casal pelo Refauna marcou o término da extinção local desta espécie, que não era vista nas florestas da Unidade de Conservação há mais de 200 anos.  

Atualmente, o Parque tem oito macacos-bugios, que são o casal introduzido em 2015 e seus seis filhotes – o que estabeleceu uma taxa de natalidade de um filhote por ano desde o início da refaunação, superando o índice de outros lugares naturais.  

Já os sete novos integrantes, que ganharam a vida livre na manhã de ontem, são compostos por um macho e seis fêmeas. Dessa nova turma, os indivíduos mais velhos têm entre 13 e 15 anos e, os mais novos, entre 8 meses e 3 anos. Eles chegaram com o objetivo de ajudar a consolidar a presença dos bugios em terras cariocas graças à interação que devem estabelecer com o grupo já existente, podendo resultar em aumento da população e da diversidade genética. Além disso, agora que estão soltos no Parque, eles vão colaborar com a dispersão de sementes de árvores que só eles conseguem interagir, ajudando a manter de pé a Mata Atlântica da Unidade de Conservação. 

Precisamos recuperar a população de bugios, que são um dos 25 primatas mais ameaçados do mundo. Os animais que foram reintroduzidos agora são o primeiro grupo liberado depois da vacinação contra febre amarela, cuja epidemia em 2017 afetou fortemente o número desses animais no Sudeste, levando à criação de um comitê de manejo integrado de bugios. Graças a uma parceria com a Fiocruz, foi adaptada a vacina da febre amarela de humanos para os primatas, garantindo a proteção dos bugios que foram soltos no Parque”, explica Marcelo Rheingantz, diretor-executivo do Refauna e biólogo da UFRJ. 

Advertisement

Leia também

Nos últimos dois anos, Rio de Janeiro teve aumento de 45% das custas judiciais

Proposta do BNDES para o Centro do Rio inclui calçadões e parque no Canal do Mangue

Viviane Lasmar, a chefe do Parque Nacional da Tijuca, destaca o apoio ao projeto por meio dos servidores e funcionários, equipamentos, execução das atividades de campo e de transporte dos animais. “Atuamos em conjunto com o Refauna e com as demais instituições parceiras porque um trabalho deste nível só em possível em grupo, nunca sozinho“, ressalta Viviane. 

A reintrodução de ontem e que marca o começo de 2024 não aconteceria sem a união do Refauna com o Parque Nacional da Tijuca, o Centro de Primatologia do Rio de Janeiro do INEA (CPRJ-INEA), a Fiocruz, o Centro de Recuperação de Animais Selvagens da Universidade Estácio de Sá, o Comitê de Manejo Integrado de Alouatta, CPB-ICMBio, a UFRJ, a UFRRJ, o IFRJ-RJ, a Ecomimesis e a National Geographic Society.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Após oito anos, segundo grupo com 7 macacos-bugios é reintroduzido no Parque Nacional da Tijuca

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui