Assim como os Beatles, colunista Rosane Ventura visita norte da Índia em busca de transformação

Professora de meditação carioca, ela escreve suas experiências para o Diário do Rio

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Rosane Ventura posa em mural que retrata os Beatles na cidade de Rishikesh, no norte da Índia (Foto: divulgação)

Em fevereiro de 1968, os Beatles fizeram uma viagem que marcou a vida pessoal e profissional deles. E eu tive a oportunidade de ir no mesmo lugar: Rishikesh, no norte da Índia, onde passei alguns dias me inspirando e me transformando, assim como aconteceu com a banda.

Influenciada pelo interesse crescente do guitarrista George Harrison na cultura e nos sons orientais, a banda não só viajou para lá, como se dispôs a ficarem isolados junto ao mestre Maharishi Mahesh Yogi, em seu Ashram, centro de meditação, à beira do Himalaia e do sagrado rio Ganges. O objetivo era aprender meditação transcendental.

Lá eles compuseram quase 50 canções – levantando praticamente todo o repertório do que viria a ser o Álbum Branco – e, apesar do mal estar estomacal que tomou conta de Ringo por conta da dieta indiana, e de terem suspendido suas férias espirituais subitamente, após suspeitas sobre o comportamento financeiro e sexual do Maharishi (sobre as quais, anos mais tarde, Paul e George viriam a público se desculpar), os Beatles para sempre levariam consigo o hábito de meditarem, e a estadia na Índia se tornaria uma boa lembrança de um período um pouco mais leve e alegre, antes do amargo fim da banda.

A Índia realmente muda a vida de quem passa por ali. Ainda mais se já tiver uma sensibilidade para receber tudo que a terra sagrada tem a oferecer, estimular e manifestar.

Advertisement

Leia também

Rio terá observatórios para estudos climáticos; 1º será no Complexo do Alemão

Balão é ‘abatido’ antes de cair no Aeroporto do Galeão

Assim como os efeitos da meditação já comprovados pela ciência, que não só traz sensações de bem estar, paz e plenitude, mas que também tem o poder de estimular e manifestar grandes feitos quando colocado um propósito claro. A meditação pode e deve ser usada para análise e avaliação das próprias questões a serem resolvidas e desenvolvidas. Através dessa pausa, em um corpo parado e relaxado, nos permitimos observar as próprias oscilações da mente que pode nos trazer muitos Insigths, memórias a serem revisitadas e mensagens a serem decodificadas. Como sempre falo em minhas palestras, meditar não se trata em não pensar em nada, e sim, se permitir observar a própria mente. Na quietude do observar, sem atenção ao externo e sim ao interno, se tem a oportunidade de perceber coisas que jamais se perceberia com tantas distrações externas e até mesmo internas.

A Índia deu origem a essa prática há mais de 5 mil anos e foi o ponto de partida para muitas técnicas se desenvolverem. Uma herança entregue para a humanidade, que em seu despertar está cada dia mais a disseminar essa prática tão sagrada e poderosa. Não é à toa que grandes nomes de sucesso da história tenham e ainda bebam dessa fonte.

Até o próximo mergulho dessa série Índia.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Assim como os Beatles, colunista Rosane Ventura visita norte da Índia em busca de transformação

Avatar photo
Rosane Ventura, especialista em saúde mental, Yoga e Mindfulness, é comprometida em promover bem-estar emocional. Referência em terapias holísticas e práticas ancestrais, fornece orientações para enfrentar desafios do dia a dia e lidera retiros espirituais focados em autoconhecimento.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui