Barco que veleja sozinho vai monitorar poluição na Baía de Guanabara

A equipe de pesquisadores gastou R$ 100 mil reais no desenvolvimento do F-Boat, valor que incluiu instrumentos feitos de forma artesanal, impressão 3D do casco e compra de processadores

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação

Controlado por inteligência artificial, o F-Boat, projeto da Universidade Federal Fluminense (UFF) e Prefeitura de Niterói (RJ), vai navegar pela baía de Guanabara à procura de mudanças na qualidade das águas. Por conta da tecnologia, ele dispensa tripulação para analisar dados ambientais em tempo real. A informação foi divulgada pela Folha de São Paulo.

O projeto começou há dois anos por demanda da Prefeitura de Niterói. Em um edital, os professores da UFF Esteban Walter Gonzalez Clua e Daniel Dias apresentaram a ideia e tiveram aprovação da secretaria municipal do Meio Ambiente. O F-Boat parece um veleiro convencional de três metros de comprimento, mas, no interior, ele leva câmeras, sensores e um minisupercomputador que vai analisar pH, temperatura e turbidez da água, com foco em possíveis riscos como vazamentos de resíduos e poluição.

A equipe de pesquisadores gastou R$ 100 mil reais no desenvolvimento do F-Boat, valor que incluiu instrumentos feitos de forma artesanal, impressão 3D do casco e compra de processadores. No entanto, o custo com os próximos veleiros inteligentes deve diminuir quando o projeto ganhar escala.

A inteligência artificial é alimentada por informações dos sensores e câmeras instalados no veleiro, que controla as escolhas de navegação diante de vento ou obstáculos.

Advertisement

Leia também

Águas do Rio alega não saber sobre situação da Cedae mas presidente foi diretor da empresa – Bastidores do Rio

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

Como transportes autônomos podem trazer riscos à segurança da população quando treinados no mundo real, foram criados clones digitais (digital twins) para ensinar o barco a navegar. Trata-se de réplicas do veículo e de todo ecossistema ao redor em meio digital para treinar antes do veículo ser transferido para o sistema físico.

No projeto do F-Boat participaram tanto o setor público quanto privado, com destaque para a Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro), a Marinha e a empresa NVIDIA, que forneceu tecnologias para o barco.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Barco que veleja sozinho vai monitorar poluição na Baía de Guanabara

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui