Blocos tradicionais, Cordão do Bola Preta e Cacique de Ramos, abrirão desfiles do Carnaval 2024 na Sapucaí

A iniciativa busca prestar uma homenagem à Liesa, que completa 40 anos de existência

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Em comemoração aos 40 anos do Sambódromoe da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), os desfiles de 2024 serão inaugurados de maneira grandiosa. Dois dos blocos mais emblemáticos do Rio de Janeiro, o Cordão do Bola Preta e o Cacique de Ramos, terão a responsabilidade de abrir as duas noites de desfile do Grupo Especial, conforme detalhado por Jorge Perlingeiro, presidente atual da Liesa.

A iniciativa busca prestar uma homenagem à própria liga, que completa quatro décadas de existência. Jorge Perlingeiro expressou sua intenção de destacar duas instituições significativas, o Cacique de Ramos e o Cordão da Bola Preta, como abertura dos desfiles.

As apresentações estão agendadas para as 20h30, precedendo os desfiles oficiais que têm início às 22h. O Cacique de Ramos está programado para inaugurar os festejos no dia 11 de fevereiro, domingo de carnaval, enquanto o Bola Preta animará a Avenida na noite seguinte (12/02).

O Cordão do Bola Preta, fundado em 1918, é reconhecido como a agremiação carnavalesca mais antiga em atividade, agregando uma rica tradição à celebração. Por sua vez, o Cacique de Ramos, fundado em 20 de janeiro de 1961, ostenta uma história notável, tendo sido palco para renomados artistas da música brasileira, como Zeca Pagodinho, Jorge Aragão, Almir Guineto e Luiz Carlos da Vila. Com suas características fantasias temáticas indígenas e as cores preto, branco e vermelho, o bloco é uma presença marcante ao longo da Avenida Chile, no Centro.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Blocos tradicionais, Cordão do Bola Preta e Cacique de Ramos, abrirão desfiles do Carnaval 2024 na Sapucaí

Advertisement

Leia também

Há quarenta fazendo fantasias com materiais recicláveis, ex-empregada doméstica se destaca em concursos e tem fotos espalhadas pelo mundo

Crítica: Sel d’Ipanema – mais que um beach club, um refúgio gastronômico à beira-Mar

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui