Petit Palais, filial da Sergio Castro em Laranjeiras

 

Uma das mais antigas partes da cidade, Laranjeiras é, sem dúvida, uma das casas do Rio de Janeiro. A ocupação da região onde hoje em dia fica o bairro de Laranjeiras começou no século XVII, com a construção de chácaras no vale ao redor do Rio Carioca.

Por conta dessa proximidade com o Rio Carioca, o bairro foi, anteriormente, chamado de Vale do Carioca.

O atual nome se deu porque havia muitos pés de laranjeiras nas margens do Rio Carioca, onde nasceu o bairro.

No século XIX, foram surgindo, na região de Laranjeiras, chácaras luxuosas ocupadas por famílias ricas. Uma das primeiras foi a do Ouvidor Cristóvão Monteiro. Ao longo dos séculos, muitas outros sobrenomes, como Lisboa, Velasco, Roxo, Torre, Frontin, Pereira Passos, Teixeira de Freitas, Moura Brasil, e tantas outros de nobres.

A presença da Princesa Isabel no palacete da Rua Guanabara, atual Rua Pinheiro Machado, contribuiu bastante para o seu crescimento do bairro.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis contribui para a valorização da cultura carioca

No ano de 1880, a região de Laranjeiras sofreu grande transformação com a implantação da Companhia de Fiações e Tecidos Aliança, instalada na Rua General Glicério, fazendo surgir os primeiros comerciantes do bairro.

A presença da fábrica, que durou até 1938, trouxe ao bairro as primeiras vilas operárias. Os bondes elétricos também chegaram até Laranjeiras neste período.

Em Laranjeiras e Cosme Velho também nasceram ou viveram intelectuais e artistas importantes da cultura brasileira como Lima Barreto e Villa-Lobos (que nasceram na rua Ipiranga), Machado de Assis, Coelho Neto, Max Fleiuss, Marco Carneiro de Mendonça, Marcos Rebelo, João Manuel Pereira da Silva, José Antonio Lisboa, Alceu Amoroso Lima, Gustavo Corção, Sobral Pinto, Múcio Leão, Lúcio Albuquerque, Lysia e Nilo Bernardes, Paulina D’Ambrósio, Augusto Rodrigues, Noel Netels, Silva Melo, Barão Homem de Melo, Cecília Meireles, Eugênio Gudin, Andrade Murici, Henrique Nienberg, Osvaldo Aranha, Dr. Fernando Magalhães e muitos outros”, escreveu Nireu Cavalcanti no site Bairro das Laranjeiras, na seção Cultura e Turismo.

Tamanha é a importância do bairro que nele estão situados o Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do RJ, o Palácio Laranjeiras, residência oficial do Governador do Estado do RJ, o Parque Guinle, o Fluminense Football Club, a sede da IV Região Administrativa da Prefeitura do Rio, a sede do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, o BOPE, e a Sede Administrativa na cidade da Força Nacional de Segurança.

Petit Palais, filial da Sergio Castro em Laranjeiras

Laranjeiras é ou não é uma das casas da Cidade Maravilhosa? Recentemente a Sérgio Castro Imóveis deu um presente para o bairro, a reforma do Petit Palais, que agora é a filial da Zona Sul da famosa imobiliária.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. faltou mencionar que o Clube de Regatas do Flamengo teve origem nesse bairro, mesmo com o nome sendo do bairro do Flamengo, e era vizinho de rua do Fluminense.

  2. Eu li não recordo onde (ou foi meu padrinho, que morava na General Glissério, que me disse?) que a Rua das Laranjeiras segue o curso de um rio. Será verdade?

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui