BRT-Rio: um transporte de alta capacidade implementado pela Prefeitura

Até 2012, só 15% dos cariocas tinham acesso a transporte de alta capacidade, como metrô e trens

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Reprodução/Google

pouco mais de dez anos, o Rio não tinha nenhum corredor BRT. Até 2012, só 15% dos cariocas tinham acesso a transporte de alta capacidade, como metrô e trens. Com isso, uma parte importante da Zona Oeste não era atendida.

O BRT (Bus Rapid Transit ) é uma solução brasileira criado em Curitiba pelo arquiteto e urbanista Jaime Lerner e seu sucesso vinha da combinação de baixo custo, alta capacidade e potencial de rápida expansão.

Ao contrário de trens e metrôs, de responsabilidade estadual, o BRT um transporte de alta capacidade e o único meio de transporte estruturante, que pode ser implementado pela própria Prefeitura.

Transoeste mudança de eixo no transporte carioca

Em junho de 2012, é inaugurado o primeiro corredor BRT da cidade, ligando a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande.

Com 56km e 74 estações, ele nasce integrado ao Terminal Alvorada e chegou a transportar diariamente 200 mil pessoas, reduzindo em 58% o tempo das viagens.

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Transcarioca um corredor suburbano

Em julho de 2014, nasce o segundo corredor BRT, integrando a Barra da Tijuca e diversos bairros ao Aeroporto Internacional Tom Jobim.

Com 39km e 45 estações, ele cruza o coração do subúrbio carioca e transportava até 212 mil pessoas todos os dias, com redução de 60% do tempo de viagem.

Transolímpica a mobilidade avança na Zona Oeste

Em julho de 2016, a cidade ganha seu terceiro corredor BRT, que une o Recreio dos Bandeirantes a Magalhães Bastos.

Com 23km e 18 estações, ele chega à região mais carente de transporte público do Rio e, no auge, transportava 34 mil passageiros por dia, tornando o trajeto 60% mais rápido.

Transbrasil o BRT envolve a cidade

Para que o sistema ficasse completo, faltava só terminar a Transbrasil. Mas as obras, que deveriam ter sido concluídas em 2017, ficaram abandonadas por quatro anos, gerando prejuízos aos cofres públicos e atrapalhando o trânsito na Avenida Brasil.

Uma vitória do transporte coletivo

Até 2010, o serviço de ônibus do Rio não era licitado. O sistema não tinha previsão de controle, investimentos e padrões de qualidade. Em 2011, o Rio começou a incentivar o uso do transporte público com a criação de faixas exclusivas para ônibus, os BRS.

Os BRTs radicalizaram esse conceito, com corredores exclusivos que tornavam os deslocamentos coletivos mais rápidos que os individuais.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp BRT-Rio: um transporte de alta capacidade implementado pela Prefeitura

Advertisement

4 COMENTÁRIOS

  1. O transporte publico da cidade do Rj por esses corredores e igual aos trens da super via um frangajho dos grandes. Quando o ultimo trecho ficar pronto já estara obsoleto e fracassado ,temos que criar outros meios de transporte de massa que funcione e não atrapalhe quem precisa se locomover pela cidade.

  2. Tá tão chapa-branca, tão propagandístico este texto que parece ter sido escrito por assessoria de imprensa da Prefeitura! Só faltou serpentina e confete pra se congratular. Além disso, BRT não é transporte de alta capacidade: um ônibus do BRT deve levar no máximo chutando alto… 200 pessoas lotado. Um trem, um metrô… leva uns 2.000.

    • Foi a msm coisa que pensei, só faltou no final, assinar como “Um grande fã e admirador do Dudu Paes”… BRT um sistema que já começou errado e só piorou ao longo dos anos.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui