Câmara aprova Refúgio de Vida Silvestre na Floresta do Camboatá, em Deodoro

Lei visa proteger o último trecho de Mata Atlântica plana do município do Rio,

Floresta do Camboatá, em Deodoro - Foto: Brenno Carvalho

A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro aprovou nesta quarta (3/11), em primeira discussão, um projeto de lei que cria o Refúgio de Vida Silvestre da Floresta do Camboatá, no bairro de Deodoro. O PL 1345/2019, que recebeu um substitutivo, visa proteger o último trecho de Mata Atlântica plana do município do Rio, onde já houve um projeto para transformar essa área de preservação ambiental em um autódromo, o que provocou a mobilização popular e de ambientalistas. A decisão foi revista em 2021. A construção do empreendimento demandava a derrubada de mais de 200 mil árvores de 146 espécies e o desmatamento de uma área de quase 160 hectares. Em caso de aprovação e sanção do projeto, a área será resguardada.

Entre os principais objetivos do projeto de lei estão a preservação da fauna e flora local; a recuperação da qualidade da água dos mananciais; a recuperação da cobertura vegetal existente; e a garantia da sobrevivência e o curso natural da evolução da população de árvores nativas que ocorre no local. A proposta é de autoria do ex-vereador Renato Cinco e do vereador Prof. Célio Lupparelli (DEM). 

Lupparelli destacou que o momento é desafiador e que projetos de preservação do meio ambiente têm que ser colocados em prática. “Eu acho que a cidade, essa Câmara, tem um bom exemplo a dar aos moradores do Rio, principalmente às crianças e jovens que estão iniciando a sua vida com respeito à questão ambiental. Um bom exemplo a dar a todo o estado do Rio de Janeiro e a todo o Brasil, porque hoje infelizmente estamos percebendo que nós não estamos muito bem na discussão ambiental mundo afora. Estamos sendo vistos como párias na questão ambiental”, enfatizou Lupparelli.

O vereador Chico Alencar (PSOL) elogiou a proposta ao pedir a coautoria do projeto de lei. “Gostaria de me associar a ela pela sua relevância em uma cidade tão esgotada, com poucas áreas verdes, uma cidade que é, pela sua própria topografia e conformação, ecológica, florestal, ambiental, natural, um refúgio de vida silvestre. Mas, o Camboatá andou sob ameaça e foi muito importante haver essa intensa mobilização social. A boa lei, o bom projeto de lei, é projeto de lei é justamente esse, que deriva de um querer coletivo sustentado e sustentável.” 

Para o vereador Tarcísio Motta (PSOL), natureza e desenvolvimento econômico devem ser compatíveis em prol de uma lógica do bem-viver. “É preciso preservar a floresta e fazer dela um local inclusive de emprego e renda. Mas, é mais do que isso. A concepção que a gente tem que abandonar é de que progresso é destruir a natureza, de que natureza é atraso, que não significa renda, e que nossa briga seja o tempo inteiro por crescimento desenfreado”, ressaltou o parlamentar. A matéria foi aprovada em 1ª discussão e volta à pauta em 2ª votação.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui