Câmara cria programa de prevenção ao assédio sexual nas unidades de saúde do Rio

Levantamento realizado pela ISP entre 2015 e 2021 verificou a ocorrência de 177 estupros em unidades de saúde do Estado. A cidade concentrou 45,2% dos casos notificados

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
O Hospital Souza Aguiar vai funcionar durante 24 horas nos dias de jogos da seleção brasileira - Arquivo / Prefeitura do Rio

Um levantamento realizado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) verificou que, entre 2015 e 2021, foram registrados 177 casos de estupro em hospitais, clínicas e outras unidades de saúde no Estado do Rio. A capital fluminense concentrou 80 dos casos, o que representa 45,2% dos estupros notificados.

Foi pensando em defender as mulheres que fazem uso ou trabalham nas unidades de saúde da cidade que a vereadora Luciana Boiteux (PSOL) elaborou a Lei 8379/2024, que cria o “Programa de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Sexual e demais Crimes contra a Dignidade Sexual e à Violência Sexual no Sistema Único de Saúde no âmbito do Município do Rio de Janeiro”.

Na justificativa do Projeto de Lei, a vereadora destacou que a matéria cria recursos para que trabalhadoras e usuárias dos serviços de saúde da cidade tenham segurança nas dependências dessas unidades.

Advertisement

“Essa lei visa contribuir para que tais crimes não aconteçam mais e para que a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro tenha instrumentos para qualificar a atenção a suas colaboradoras e usuárias do SUS, garantindo que as mulheres sejam efetivamente cuidadas nos serviços de saúde. Saúde é vida, não pode ser causa de adoecimento, estupros e morte”, argumentou Luciana Boiteux.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Câmara cria programa de prevenção ao assédio sexual nas unidades de saúde do Rio
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui