Câmara de Vereadores do Rio debate o fim do oferecimento de alimentos ultraprocessados nas escolas

O objetivo principal do projeto é contribuir para a redução da obesidade infantil e garantir o fornecimento de alimentos de qualidade aos alunos

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Divulgação/CEE Fiocruz

Nesta semana, a Câmara de Vereadores do Rio deve votar o Projeto de Lei 1.662/19, de autoria de Cesar Maia e com apoiamento de 15 vereadores, que proíbe o oferecimento de bebidas açucaradas e ultraprocessados nas escolas públicas e privadas do município.

O objetivo principal do projeto, segundo os autores, é contribuir para a redução da obesidade infantil e garantir o fornecimento de alimentos de qualidade aos alunos.

A presidente da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente da Câmara de Vereadores do Rio (CDCA), Thais Ferreira (PSOL), defende a aprovação do projeto original, sem emendas, por oportunizar e facilitar o oferecimento de alimentos de qualidade para as crianças e adolescentes.

De acordo com Thais, “as escolas devem ser grandes aliadas no combate à insegurança alimentar e ao nutricídio, que geralmente são financiados pela indústria dos processados e ultraprocessados. Para isso, as instituições de ensino precisam de políticas que garantam a oferta do que chamamos de comida de verdade para nossas crianças e adolescentes. Neste sentido, espero que o projeto 1662/2019 seja aprovado sem emendas prejudiciais, pois visa dar diretrizes para combater a exposição aos ultraprocessados nas escolas”.

Advertisement
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Câmara de Vereadores do Rio debate o fim do oferecimento de alimentos ultraprocessados nas escolas
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui