Câmara vota projetos de incentivos a veículos elétricos

Proposta que prevê ônibus elétricos para o Rio de Janeiro pode afetar Eduardo Paes, que trabalhou para a principal empresa do ramo no mundo, a BYD

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Curitiba inicia testes com um ônibus elétrico da chinesa BYD no transporte coletivo. Curitiba, 22/04/2023. Foto: Hully Paiva/SMCS

 A Câmara Municipal do Rio vota na pauta semanal, entre esta terça (05/12) e quinta-feira (07/12), dois projetos voltados ao incentivo do uso de veículos elétricos na cidade. Focados tanto no transporte coletivo quanto no particular, as propostas serão analisadas em segunda discussão, em meio às discussões da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), que acontece em Dubai até o dia 12 de dezembro. Caso sejam aprovadas, seguirão para sanção ou veto do prefeito Eduardo Paes. 

O primeiro é voltado ao transporte coletivo, e prevê a transição da atual frota de ônibus à combustão para veículos elétricos, com a eliminação total de combustíveis fósseis a partir de 2040 na cidade do Rio de Janeiro. É o que determina o PL 2201/2023, dos vereadores Vitor Hugo (MDB), Marcos Braz (PL) e Felipe Michel (PP), que será analisado em segunda discussão. 

O projeto institui a adoção dos chamados “veículos verdes”, que são ônibus movidos a um ou mais motores elétricos, de zero emissão de poluentes, e cuja bateria seja recarregável. A introdução dos novos veículos será gradual, a critério da Prefeitura do Rio, de modo que até 1º de janeiro de 2040 toda a frota do sistema de transporte público coletivo da cidade utilize apenas veículos elétricos. Segundo o projeto, a substituição dos ônibus deverá iniciar pela Zona Sul. 

De acordo com os autores, a proposta visa reduzir a emissão de gases de efeito estufa e a dependência de combustíveis fósseis, contribuir para a melhora do serviço de transporte público, fomentar o incentivo ao desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação dos setores elétricos no município e investir em segurança energética. 

Advertisement

Leia também

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

Vídeo: Raio atinge Cristo Redentor durante registro de visitante

O setor de transportes é responsável por nada menos que 14% das emissões mundiais de dióxido de carbono, e por 22,8% no caso do Brasil. Como o nosso país  possui uma produção de eletricidade relativamente limpa, é necessário realizarmos a troca dos veículos movidos por combustíveis fósseis por veículos elétricos, que vai reduzir sobremaneira a poluição do ar e a poluição sonora”, afirmam os autores.

Os parlamentares acrescentam ainda que a adoção de veículos elétricos reduz o número de quedas de idosos dentro dos coletivos. “A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia levantou que de 30% a 40% dos idosos caem pelo menos uma vez por ano, e essa é a principal causa de morte acidental entre pessoas acima dos 65 anos. Com ônibus elétricos, as quedas são menos comuns graças à aceleração contínua e automática, sem trocas de marchas do veículo”, explicam.

Entretanto, os 3 vereadores que são oposição a Eduardo Paes podem, se o projeto for aprovado, usarem a mesma iniciativa para critica-lo. É que durante o período que ficou fora da política, entre 2017 e 2020, o atual prefeito foi Executivo da BYD, empresa chinesa líder na produção de veículos elétricos, incluindo ônibus elétricos. Eles têm se destacado no mercado global de veículos elétricos e têm uma presença significativa no setor de transporte público.

Como os ônibus elétricos da BYD são conhecidos por sua tecnologia avançada de bateria edesempenho eficiente, além de serviços completos, incluindo soluções de recarga e suporte técnico. É de supor que em uma concorrência a empresa teria muitas chances de sair vencedora e, por óbvio, ficaria o ar de mutreta.

Pontos de recarga

pexels kindel media 9800006 Câmara vota projetos de incentivos a veículos elétricos
Foto de Kindel Media

A segunda proposta da pauta voltada ao incentivo a veículos que não emitem gases do efeito estufa é o PL 1956/2023, dos vereadores Zico (Rep), Dr. Gilberto (SD), Marcos Braz (PL), Luciano Medeiros (PSD), Marcio Ribeiro (Avante), Dr. Carlos Eduardo (PDT) e Celso Costa (Rep). A proposta visa aumentar a disponibilidade de infraestrutura para carros elétricos ou híbridos, determinando a instalação de pontos de recarga em estacionamentos privados de uso coletivo de toda a cidade do Rio. Pela proposta, deverão ser instalados pontos em ao menos 5% das vagas. A recarga poderá ser cobrada dos clientes. A matéria também será analisada em 2ª discussão. 

A pauta é definida semanalmente, entre terça e quinta-feira, e está sujeita a alterações de acordo com a aprovação de requerimentos em Plenário para a inclusão de novos projetos, adiamentos, ou convocação de sessões extraordinárias. As sessões têm início a partir das 14h, no Grande Expediente, com as votações iniciadas às 16h, com transmissão ao vivo pela Rio TV Câmara nos canais 10.3 da TV aberta, 12 da Net e no YouTube.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Câmara vota projetos de incentivos a veículos elétricos

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Deveriam pesquisar mais sobre os danos ambientais para a fabricação destes veículos e sobre o descarte das baterias. Veículos elétricos são muito mais danosos ao meio ambiente do que os movidos a combustíveis. Pesquisem, se informem.

  2. 2040 só? SP tá fazendo isso esse ano.

    Dudu tá certo. Por menos a Lava Jato prendeu gente. Até com provas inexistentes. Político sábio. Não tem o porquê se chamuscar.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui