Candidato a prefeito Otoni de Paula mira segurança e lamenta assassinato de jovem no Recreio dos Bandeirantes

Otoni de Paula ressaltou a urgência de ações efetivas para combater a crescente onda de assédios, furtos, assaltos e a sensação generalizada de insegurança

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Base do Segurança Presente em Petrópolis contará com 31 policiais, 21 agentes civis e assistente social. (Philippe Lima)

Após o assassinato do estudante de Odontologia, Lucas Carneiro Monteiro Meirelles, de 27 anos, vítima de um assalto no Recreio dos Bandeirantes, o Deputado Federal Otoni de Paula e candidato a prefeito do RIo destacou a necessidade de medidas urgentes para conter o crescente problema da criminalidade.

As estatísticas recentes revelam um aumento alarmante nos índices de criminalidade, especialmente durante o Carnaval. A Polícia Militar do Rio de Janeiro prendeu 326 pessoas durante os quatro dias de folia, sendo 60 adolescentes apreendidos. Entre as apreensões, destacam-se 35 armas de fogo, incluindo sete fuzis, e mais de 270 objetos perfuro cortantes, como facas e tesouras.

Otoni enfatizou a gravidade da situação, observando que 41 prisões resultaram de mandados de prisão em aberto contra suspeitos, enquanto sete indivíduos foram capturados por meio do uso de reconhecimento facial. Além disso, foram apreendidos 15 simulacros de arma de fogo, 2.378 frascos de cheirinho de loló e 4.650 cápsulas de cocaína, entre outras drogas.

Diante desses dados, o parlamentar ressaltou a urgência de ações efetivas para combater a crescente onda de assédios, furtos, assaltos e a sensação generalizada de insegurança. O Deputado comprometeu-se a levar o tema para discussão no âmbito legislativo, buscando soluções que possam proporcionar maior segurança à população carioca.

Advertisement

A coexistência entre a expressão cultural e a segurança pública é essencial para garantir que os cidadãos possam desfrutar do Carnaval sem temer pela própria integridade, destacando a importância de investimentos e ações efetivas para tornar essa celebração verdadeiramente segura e inesquecível para todos”, expõe o Deputado.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Candidato a prefeito Otoni de Paula mira segurança e lamenta assassinato de jovem no Recreio dos Bandeirantes
Advertisement

5 COMENTÁRIOS

  1. Não tem pena de morte para bandido… mas o bandido decide a morte das vítimas. É encorajado pelo desarmamento da população. Então, para ele que consegue arma de qualquer jeito, fica mais à vontade pra agir…
    Outro dia uma matéria sem vergonha de uma jornalista para o Fantástico insinuou que a pena de morte perde força no mundo. Mas omitiu que isso no ocidente ideologizado segundo doutrinas religiosas absorvidas nos direitos humanos como a expiação da culpa. Para esses, a família da vítima que se dane…
    Pois eu defendo que a família da vítima se vingue do criminoso.

    • Quantos anos vc tem? 16?

      Imagina um criminoso terrível após cometer barbaridades ter o privilégio da morte e descansar em berço esplêndido…Que maravilha, heim!

      Prisão perpétua, sim. A pessoa viver até o fim da vida uma vida horrível numa prisão é mais justo que simplesmente ela morrer.

      Se a Justiça fosse baseada em “vingança”, não haveria justiça coisa alguma. Justiceiros não resolvem nada e criam mais problemas.

      • Ah sei. Tenho a mesma dúvida quanto a sua idade. Porém, na minha pergunta indagaria se se você tem 10 anos.
        Sabe o custo por mês de um preso??? A média é de R$ 3,5 mil por mês.
        Prisão perpétua(??) e você, eu, todos nós pagando por décadas a manutenção do indivíduo em presídio, chefes de ocrim’s ainda mandando e tendo esses presos direito à visita íntima, e quem tem dinheiro a algumas regalias na corrupção do sistema??? Nãaaao….
        Pena de Morte, SIM!

      • Sobre a justiça baseada na vingança “não haver justiça alguma”.
        Existem determinados assuntos tabus ou antiéticos serem levantados mesmo academicamente.
        Mas estudo na Inglaterra sobre a efetividade de justiça concluiu que a família atingida com a perda de um ente por ato violento também é atingida na saúde além da privação do ente. A incidência de problemas como câncer e derrame, além de transtornos psicológicos é maior. Já aquelas famílias que viu o autor do crime receber penas mais graves tem menores índices em comparação.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui