Cemitérios do Rio recebem ações de combate ao mosquito da dengue

O trabalho realizado por agentes da Secretaria Municipal de Saúde visa preparar os espaços para receber os visitantes no Dia de Finados

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Crédito: Edu Kapps / SMS

Com a chegada do Dia de Finados, em 2 de novembro, que tradicionalmente atrai milhares de visitantes aos cemitérios da cidade, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) está intensificando os esforços de prevenção das arboviroses, como dengue, zika e chikungunya, com foco na eliminação de potenciais criadouros do mosquito aedes aegypti nestes locais.

No total 173 agentes de vigilância ambiental em saúde estão realizando inspeções minuciosas nos 20 cemitérios da cidade ao longo desta semana e das próximas duas semanas, em busca de acúmulos de água que facilitem a reprodução do mosquito causador das doenças. Na quarta-feira (25/10), a ação foi no São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul do Rio.

Os cemitérios são considerados pontos estratégicos no planejamento para a prevenção das arboviroses, devido às dimensões e características que propiciam o acúmulo de água e surgimento de focos do aedes aegypti. E por isso recebem monitoramento constante das equipes da Coordenação de Vigilância Ambiental em Saúde. Estas atividades nesses locais ocorrem em intervalos de 15 dias, mas no final de outubro as vistorias são reforçadas, para garantir a segurança do público que visitará os espaços.

E além das atividades prévias ao Dia de Finados, o planejamento prevê uma nova visita dos agentes aos cemitérios logo após a data, entre os dias 6 e 10 de novembro. Isso ocorre devido à prática comum das pessoas de deixar recipientes para velas, vasos, floreiras e outros objetos nos túmulos, que podem acumular água. A segunda inspeção é necessária para a verificação desse material, evitando assim o surgimento dos criadouros do mosquito. O trabalho dos agentes é feito em conjunto com os funcionários dos próprios cemitérios, que auxiliam nos cuidados e na orientação do público ao longo do ano.

Advertisement

As características dos cemitérios podem favorecer a proliferação do vetor e, por isso, a Prefeitura tem um olhar muito cuidadoso sobre esses espaços. Mas é importante chamar a atenção sobre a necessidade de a população também fazer a sua parte. No caso específico das pessoas que irão homenagear seus mortos, é importante que tenham a consciência de que, se colocarem flores em jarros com água, vão favorecer a reprodução do aedes aegypti. É sempre bom dar preferência, por exemplo, aos vasos com terra, que além da maior durabilidade da planta, evitarão o surgimento dos focos do mosquito” explica a Superintendente de Vigilância em Saúde, Gislani Mateus.

Os trabalhos de controle das arboviroses, tanto nas áreas residenciais quanto nos locais considerados pontos estratégicos (além dos cemitérios, borracharias, ferros-velhos, depósitos de sucata ou de materiais de construção, garagens de ônibus, etc) são realizados pela Secretaria Municipal de Saúde durante todo o ano. Nos meses de calor, dentro da programação do Plano Verão, as ações são reforçadas.

Só neste ano,foram vistoriados mais de 8,7 milhões de imóveis para controle e prevenção de possíveis focos do aedes aegypti, com eliminação ou tratamento de mais de 1,7 milhão de recipientes que poderiam servir de criadouro. Quando necessário, a população pode fazer pedidos de vistoria ou denunciar possíveis focos do mosquito pela Central de Atendimento da Prefeitura, no número 1746.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Cemitérios do Rio recebem ações de combate ao mosquito da dengue
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui