Chico Alencar – 13 de maio: A lição da abolição

O colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre as lições da Abolição da Escravatura

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Multidão se reúne em frente ao palácio do governo, no Rio, em 1888 / Fonte: Agência Senado

Foi há exatos 135 anos que a princesa Isabel assinou a Lei Áurea. Na ocasião, a Monarquia promoveu grandes festas na Corte (Rio de Janeiro) durante três dias. Viagens de trens e teatros foram abertos ao público. Mas nem a Abolição salvou o regime, que estava em crise e caiu um ano e meio depois.

Sobre o fato histórico – que nos ensina a compreender melhor o presente – é preciso lembrar que:

1) as lutas abolicionistas vinham desde meados do século XIX, com a criação de associações para libertar os escravizados e, sobretudo, com a resistência negra, como a dos jangadeiros e a fuga para os quilombos: a luta fez a lei!
2) quando a escravidão foi extinta, a mão de obra servil já deixava de ter tanta importância, correspondendo a 5% da população brasileira; crescia o assalariamento, sobretudo no Oeste Paulista cafeeiro;
3) a Lei Áurea, que apenas declarava extinta a escravidão no Brasil, não tratou da inserção dos ex-escravizados na sociedade. Para onde iriam os cerca 700 mil “libertos”, onde trabalhariam?
4) os fazendeiros do Vale do Paraíba, escravocratas, voltaram-se contra o Império, por oportunismo: “Queremos a República, com indenização!”

As lições da Abolição foram sintetizadas em versos de sambas de enredo da Mangueira: “Livres do açoite da senzala, presos na miséria da favela” (1988); “Não veio do céu/ nem das mãos de Isabel/ a liberdade é um dragão no mar de Aracati” (2019) – referência ao líder jangadeiro cearense, Chico Nascimento, o “Dragão do Mar”.

Advertisement

Leia também

Terminal Gentileza começa a operar para população; veja detalhes

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

Nesses tempos de tanta superficialidade, falsas narrativas e desinformação, vale “contar a História que a história não conta/ com versos que o livro apagou” e descobrir “um país que não está no retrato”: “na luta é que a gente se encontra”.
(versos de L. Carlos Máximo, Silvio Moreira, Danilo Firmino, Manu da Cuíca, Deivid Domenico, Márcio Salviano, Ronie Machado e Tomaz Miranda)

Até hoje o passado bate à nossa porta. Só neste 2023, já foram resgatados 1201 trabalhadores em situação análoga à da escravidão (dados do Ministério do Trabalho). Preconceito e racismo estrutural têm que ser combatidos!

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Chico Alencar - 13 de maio: A lição da abolição

Advertisement

2 COMENTÁRIOS

  1. Salve Chico!

    Além dos casos de trabalho análogo à escravidão, há a superlotação de presídios – verdadeiros depósitos de carne humana – onde prevalece a população negra e pobre. Dado o teor dos comentários aqui neste portal, quando o assunto é criminalidade, tem muitos por aqui que sentem uma tara incontrolável de ver esses abatedouros cada vez mais abarrotados de gente preta.

    E o que dizer da população largada nas ruas, causando horror na ‘limpinha’ classe média, os tais “cidadãos de bem”? Os comentários ilustram bem o que essa gente pensa que deveria ser feito com quem não teve a sorte de nascer com pele clara e de crescer sem abandono e precariedade.

    Ao invés de nos mobilizarmos em prol da melhoraria e da ampliação do Estado e das políticas públicas de inclusão, cada dia que passa o projeto que ganha mais apoio é o de liquidação do patrimônio público, privatização do país e incentivo ao individualismo. E quem não tem mérito para se valer e prosperar por conta própria, que apodreça até a morte.

    Falta de empatia, truculência e sede de sangue são o oxigênio desta nossa sociedade desigual. Tudo temperado por um misticismo tosco (ou seria esse o ingrediente principal?), que atrofia a inteligência. Tenho sérias duvidas se há algo a se fazer que não seja só lamentar. Adianta tentar argumentar para provocar reflexão? Quem está dominado por preconceito e ódio consegue refletir?

    Um abração.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui