Chico Alencar: Em Brasília, quantas horas mesmo?

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre a retomada do trabalho como deputado federal na capital do país

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Congresso Nacional, em Brasília - Foto: Reprodução

Pela vontade de 115.023 eleitores(as) do Rio de Janeiro, retornei a Brasília para exercer mandato de deputado federal.

Quando falamos Brasília, é preciso identificar: uma é a Brasília do povo, das gentes (e aí há diferenças entre quem vive no Plano Piloto, mais bem cuidado, e no entorno, com tantas precariedades). Outra é a dos Poderes (Legislativo, Judiciário, Executivo) – dos palácios, da Esplanada.

No Congresso, que conheço melhor, persiste a distância entre o querer sentido da população e os discursos e projetos de muitas Excelências. Deu para notar isso nessa primeira semana de sessões de votação na Câmara dos Deputados.

Nesse meu regresso, percebi que o tom das falas está muito mais agressivo do que era até 2018, quando encerrei o mandato anterior. Hoje, há uma extrema direita armamentista e golpista bem barulhenta. As ”narrativas” falsas, as fakes news e a irracionalidade sobem com frequência à tribuna.

Advertisement

Leia também

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Polícia Militar planeja ampliar sistema de reconhecimento facial para 650 câmeras no RJ

”O passado não conhece o seu lugar: ele teima em aparecer no presente”, disse o poeta Mário Quintana (1906-1994). A falsidade e a omissão seguem em alta na capital da República.

É o caso, por exemplo, de uma das principais responsáveis pela tragédia Yanomami, a senadora da República Damares Alves (o PSOL representou contra ela no Conselho de Ética da Casa). A Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), no ano passado, recebeu 36 alertas sobre a situação crítica na terra indígena e nada fez.

Já o governador afastado do DF, Ibaneis Rocha, escreveu ao presidente do Senado Rodrigo Pacheco, e à presidente do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber, dizendo que tinha colocado “todas as forças de segurança nas ruas” no dia da Intentona Golpista. Por ”todas as forças” entenda-se 311 policiais (sendo 179 recém-formados). Disse ainda que havia o setor de Inteligência ”informando” que estava tudo sob controle, “situação tranquila”… Dessa subestimação da força do arreganho golpista ao estranho pedido de ajuda do Exército – felizmente recusado por Lula – foi um pulo. Incompetência ou cumplicidade, Ibaneis?

Quando subi à tribuna para defender minha candidatura à presidência da Câmara, fui vaiado por um pequeno grupo de parlamentares quando denunciei que nenhum dos meus adversários tinha mencionado as depredações e os roubos do 8 de janeiro. Arthur Lira, por exemplo, só o fez depois de eleito. Certamente não queriam se indispor com os extremistas bolsonaristas truculentos e perder uns votinhos.

Ficou claro que, no Parlamento, há quem defenda sua destruição e seu fechamento! É patética a escalada da ”antipolítica”, que é a política neofascista.

O horror e a mortandade causada pelos terremotos recentes na Turquia e na Síria ficaram esquecidos, como se não nos afetasse e não precisássemos fazer parte da urgente solidariedade internacional. Foram raríssimas as menções, na tribuna, à tragédia que já matou mais de 22 mil pessoas.

O fato mais relevante da semana não veio dos parlamentares: o Sindicato dos Servidores do Legislativo (Sindlegis) e representantes de outras categorias do funcionalismo público promoveram, no Salão Negro do Congresso, um belíssimo ato em defesa da Democracia, para lembrar (e repudiar) os ataques de 8 de janeiro, um mês após a sua ocorrência.

Poucos deputados e senadores compareceram, mas a exigência de apuração, processo, condenação e prisão dos criminosos, civis ou militares, ecoou no Salão Negro.

No caminho inverso dos golpistas, os manifestantes democráticos foram até o gramado em frente à Praça dos Três Poderes e estenderam uma enorme faixa que pedia um Brasil civilizado e justo – e uma República cidadã. Já passou da hora!

Chico Alencar é professor de História, escritor e deputado federal (PSOL/RJ)

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Chico Alencar: Em Brasília, quantas horas mesmo?

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui