Chico Alencar: O tal mercado, um ‘senhor’ insensível e autocentrado

Vereador do PSOL repercute a fala do presidente Lula sobre o mercado financeiro

Mercado financeiro não é gente, mas reage como se fosse. Tem humor (em geral mau), fica nervoso, vive de altos e baixos. É elitista: não quer saber das pessoas pobres, da fome e da miséria.

O mercado parece residir nos imponentes prédios das bolsas de valores do mundo inteiro, mas mora mesmo é no pregão da especulação.

É um tanto parasita: nessa etapa do capitalismo financeirizado, não produz nada de material, mas se alimenta dos títulos e “ações” (isto é, papéis) das grandes empresas transnacionais.

O mercado não é um ser humano, mas tem células que alimentam enormes ganhos para quem nele investe. É movido a ganância, em seu afã de lucros. Volta e meia, revela seus segredos para alguns privilegiados e faz gente (aí sim) ganhar rios de dinheiro da noite para o dia. Alguns outros, desavisados, perdem.

O mercado tenta enquadrar governos, indicar ministros, seduzir parlamentares de todos os partidos (o partido do mercado é o do lucro máximo).

O presidente eleito Lula indagou em Brasília ontem (10), corretamente, “por que a gente tem meta de inflação, mas não tem meta de crescimento?”. Ao contestar o dogma da “tal estabilidade fiscal”, perguntou e respondeu: “sabe qual é a regra de ouro? Garantir que nenhuma criança vá dormir sem um copo de leite e acorde sem ter um pão com manteiga para comer todo dia. E questionou: “Por que o povo pobre não está na planilha da discussão da macroeconomia?”.

Lula, que é gente e tem uma história de vida de admirável superação, chorou ao falar da volta da fome ao país e de sua missão prioritária de combatê-la.

Já o mercado não chora: é frio, calculista e, muitas vezes, cruel. Bastou uma simples fala sincera e de agudo sentido social do presidente eleito para o dólar subir 4%. Teve gente que se refestelou. Lula reclamou: “o mercado fica nervoso à toa”. E emendou: “engraçado que o mercado não ficou nervoso nos quatros anos de Bolsonaro…”.

Nesse planeta do colapso climático e ambiental, e de tanta desigualdade social, é preciso caminhar para um novo modelo econômico mundial, onde falar de medidas contra a pobreza não sirva de motivação para o grande Capital especular ainda mais.

Os “paraísos fiscais” são o inferno da maioria da população pobre do mundo e têm que acabar. Os nababos que vivem no luxo de seus ganhos financeiros não podem barrar políticas sociais urgentes e necessárias.

*Chico Alencar é professor, vereador (PSOL) e deputado federal eleito pelo Rio de Janeiro

graduado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Mestre em Educação pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e doutorando pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Chico Alencar tem mais de 30 de atuação na política institucional. Foi deputado federal por quatro legislaturas (2003 a 2019), deputado estadual (1999 a 2003) e voltou a ser vereador em 2021
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui