Cidade do Rio apresenta baixo risco para infestação de mosquito da dengue

O levantamento da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) identificou um Índice de Infestação Predial (IIP) de 0,66% na cidade, o que a coloca na categoria "satisfatória" por ser inferior a 1%

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Crédito: Edu Kapps / SMS-Rio

O município do Rio de Janeiro está em situação de baixo risco para a infestação do mosquito transmissor das doenças dengue, zika e chikungunya. É o que aponta o último relatório do Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) após uma minuciosa inspeção em mais de 100 mil imóveis. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) identificou um Índice de Infestação Predial (IIP) de 0,66% no município carioca, o que coloca a cidade na categoria “satisfatória” por ser inferior a 1%.

O LIRAa se estende a todos os municípios do país e tem como objetivo identificar locais propícios à proliferação do aedes aegypti, incluindo a coleta de larvas e a análise de amostras do vetor em laboratório. Essa iniciativa desempenha um papel crucial no mapeamento das áreas da cidade onde o mosquito está presente, fornecendo informações vitais para a definição de estratégias de combate às arboviroses.

Em meio ao LIRAa, o município é dividido em grupos de 8,2 mil a 12 mil imóveis com características semelhantes. Em cada um desses grupos, 20% dos imóveis são inspecionados por agentes de vigilância ambiental, que buscam possíveis focos de larvas do mosquito e identificam os tipos de depósitos mais comuns em cada região.

“Esta edição do LIRAa é considerada a mais importante do ano em razão da proximidade com o verão. O fato de a cidade ter obtido classificação ‘satisfatória’ é uma boa notícia, tendo em vista o aumento no número de casos registrados este ano, mas não podemos esquecer que ainda há regiões nas faixas de alerta e risco.” enfatiza o Secretário Municipal de Saúde, Daniel Soranz.

Advertisement

Para a edição, foram inspecionados um total de 103.146 imóveis distribuídos em 250 grupos por todo o município. Do total, 190 grupos alcançaram a classificação “satisfatória” no IIP, enquanto 57 ficaram na faixa de “alerta”, apresentando um IIP entre 1% e 3,9%, e apenas três grupos foram classificados em situação de “risco”, com um IIP superior a 3,9%. E as áreas de maior risco estão localizadas nos bairros de Santa Cruz, na Zona Oeste, e Bento Ribeiro, na Zona Norte do Rio, que receberão reforço nas ações da SMS-Rio para o controle do vetor.

O LIRAa também destacou que os criadouros do mosquito são encontrados principalmente em residências e propriedades particulares. Na análise mais recente, cerca de 34% dos focos foram detectados em depósitos móveis, como vasos e frascos com plantas, pingadeiras, recipientes de degelo de geladeiras, bebedouros e objetos religiosos. E além disso, recipientes como tonéis, barris, tinas, filtros e cisternas representaram 19% dos focos encontrados.

A orientação para evitar a proliferação de mosquitos nesse tipo de recipiente é realizar limpeza semanal, esfregando as paredes do recipiente com bucha ou esponja pelo menos uma vez por semana.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Cidade do Rio apresenta baixo risco para infestação de mosquito da dengue
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui