Há oito décadas, um cinema de rua – cada vez mais raros – resiste em Copacabana. O Cine Roxy faz aniversário neste mês de setembro e se faz presente.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis contribui para a valorização da cultura carioca

O Cinema foi inaugurado no dia três de setembro de 1938. O filme de estreia foi “Bloqueio”, protagonizado por Henry Fonda, produção que repercutiu muito na época.

“Quando foi aberto, o Roxy era mais um cinema de rua na cidade do Rio de Janeiro. Eram muitos. Hoje em dia, o Roxy é simbolo de resistência”, opina o historiador Maurício Santos.

Ao se consolidar como uma grande sala de cinema carioca, o Roxy sempre abria as portas para as grandes estreias, que só depois eram exibidas em outros cinemas.

Entre essas estreias esteve a pré de “Batman”, do diretor Tim Burton, em 1989.

O Roxy foi projetado pelo arquiteto Rafael Galvão, com 1.630 lugares. Já nos anos 1990, mais precisamente em 1991, foi fechado e reaberto, dessa vez com três salas (como está hoje em dia) e capacidade para 800 pessoas.

Nos anos 2000, depois de nova reforma, passou a contar com poltronas numeradas, além de pequenas mudanças e intervenções em sua fachada.

De acordo com a Agência Nacional de Cinema (Ancine), os cinemas de rua correspondem a apenas 10,7% das salas em toda a cidade. Os outros 89,3% estão nos shoppings. O Roxy resiste na rua.

1 COMENTÁRIO

  1. Matéria excelente Felipe. Parabéns! Tudo referente ao Rio de Janeiro me encanta, apesar de nordestino, Recifense, tenho o Rio de Janeiro como minha cidade do coração.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui