Com apenas 20 anos e 90 anotações criminais, bandido é procurado por furto em consultório em Copacabana

Patrick Rocha Maciel foi apreendido pelo polícia por furto aos 10 anos. A maior parte das suas anotações criminais são pelo mesmo delito

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Patrick Rocha Maciel e Gabriel Nascimento foram flagrado por câmera de segurança do consultório odontológico / Reprodução

Com apenas 20 anos de idade e 90 anotações criminais, Patrick Rocha Maciel está sendo procurado pela Polícia Civil por um furto praticado no último dia 26 de dezembro, em Copacabana. Segundo a polícia, o bandido e um comparsa teriam cometido o crime em uma clínica odontológica no bairro da Zona Sul carioca.

Patrick, que nasceu no Morro da Providência, no Centro do Rio, é conhecido do Polícia Civil desde os 10 anos de idade. Ele foi apreendido pela primeira vez, em 2013, pela prática de furto na região central da cidade. A maior parte das anotações de Patrick Rocha Maciel são pelo mesmo delito.

Até o momento, o último crime praticado por Patrick teria sido o furto à clínica odontológica. Agentes da Polícia Civil prenderam nesta quarta-feira (3), o comparsa de Patrick, Gabriel Nascimento, de 22, que já havia sido preso em flagrante por roubo a mão armada a uma casa no Humaitá, Zona Sul.

O Plantão Judiciário do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) expediu, na quarta-feira (3), um mandado de prisão preventiva contra Patrick Rocha Maciel pelo crime praticado no consultório na Zona Sul.

Advertisement

Leia também

Rio terá observatórios para estudos climáticos; 1º será no Complexo do Alemão

Balão é ‘abatido’ antes de cair no Aeroporto do Galeão

A ação dos criminosos foi gravada pela câmera de segurança da unidade comercial. O prejuízo da clínica foi avaliado em R$ 100 mil.

Informações e imagem: O DIA

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Com apenas 20 anos e 90 anotações criminais, bandido é procurado por furto em consultório em Copacabana

Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Quem deveria legislar sobre direto penal são os estados, por meio de suas assembleias, definindo as penas e bem como a política criminal, pelo poder executivo respectivo, de acordo com a criminalidade. E não depender da União.
    Cada estado sabe a criminalidade que mais afeta e precisa de maior rigor penal.
    É necessário tirar a competência da União e transferi-la para os estados.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui