Com cinco anos de atraso, segunda etapa das obras da Vila Autódromo começaram a ser realizadas

A espera de cinco anos atravessou o fim do mandato anterior de Eduardo Paes e seguiu por toda a gestão de Marcelo Crivella. Neste tempo, muitas disputas na Justiça

As obras do futuro Centro Cultural. Foto: Felipe Lucena

Um centro cultural, uma praça e uma quadra de esportes. A Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro garantiu que as famílias que permaneceram na Vila Autódromo, em Jacarepaguá, durante o processo de remoções para a construção do Parque Olímpico, no contexto das Olímpiadas de 2016, teriam essas estruturas prontas em 2017, como segunda fase do projeto, logo após a primeira etapa, que foi a entrega de novas casas. Contudo, somente agora, cinco anos depois, as obras começaram.

A espera de cinco anos atravessou o fim do mandato anterior de Eduardo Paes e seguiu por toda a gestão de Marcelo Crivella. Neste tempo, muitas disputas na Justiça. O início da segunda fase do projeto da Vila Autódromo estava previsto para 60 dias após o término das Paraolimpíadas, que foi em 22 de setembro de 2016. A administração de Paes recorreu quanto ao prazo diversas vezes.

“O mesmo prefeito que assinou o compromisso de fazer a obra, recorreu para não fazer. Vai entender uma coisa dessas. Depois veio [Marcelo] Crivella, que não deu a mínima para nós. Tentamos muitas vezes falar com a equipe dele, ser recebido por ele, mas não conseguimos, ele não nos atendeu. A Defensoria Pública tentou nos ajudar, recorreu também, mas a Prefeitura continuava recorrendo para não realizar a obra. A Riourbe chegou a vir fazer medições, mas a Prefeitura recorreu e a obra não começou. Ficou aquela briga de cabo de guerra. Agora, no meio deste ano, a Justiça bateu o martelo, colocou uma multa alta e impediu a Prefeitura de recorrer. Depois disso, a segunda etapa das obras pôde, enfim, sair do papel. Mas é bom que se diga que a obra está saindo na base da Justiça. Muita gente pensa que a Prefeitura é boazinha, mas não é. Estão fazendo na base da Justiça”, diz Luiz Claudio Silva, morador da Vila Autódromo, marido de Maria da Penha. O casal ajudou a liderar a resistência dos moradores que decidiram ficar na Vila Autódromo.

No processo das remoções, uma quadra, uma horta coletiva, uma praça e um centro comunitário, construídos pelos moradores, foram demolidos junto com as casas que formavam a Vila Autódromo. As 20 famílias que resistiram às remoções receberam como promessa que os equipamentos complementares seriam entregues em 2017.

“A Prefeitura está devolvendo o que nos tirou na época. A gente recebe com alegria essas obras, mas sabendo que é fruto da nossa luta”, conta Luiz Claudio.

Os moradores da Vila Autódromo ainda aguardam outra fase do processo, que é o título individual de posse das casas. Atualmente, eles têm um título coletivo. Até o momento, a Prefeitura não informou quando esse documento será entregue.

“Foi um prejuízo enorme para nós ficarmos sem uma sede física, uma estrutura para receber pessoas. Agora somos o Museu das Remoções, as pessoas vêm aqui nos visitar e não temos uma estrutura para abrigar muita gente. Graças a Deus tem a igreja católica aqui [Capela São José Operário]. Ficamos sem um espaço de lazer, de encontro, conveniência esse tempo todo. Teve gente que morava aqui e morreu sem ver isso. Espaços que a gente tinha antes das remoções e perdemos para as Olímpiadas. Nos sentimos desprestigiados dentro da cidade, porque tivemos nossos direitos negados pela Prefeitura mesmo com a Defensoria Pública cobrando esse resultado. São muitos prejuízos, inclusive emocionais. É muito triste o que o Poder Público, o sistema, fazem com quem trabalha e só quer seus direitos”, afirma Luiz.

Procurada, a Prefeitura informou que “na gestão anterior do Prefeito Eduardo Paes, por conta dos Jogos Olímpicos Rio 2016, foi feito um acordo entre os moradores que permaneceram no local e a Prefeitura para a construção de 20 casas, duas praças e um centro sócio cultural. As casas foram entregues , mas na gestão Crivella nada foi feito. Ao retornar em 2020, o Prefeito Eduardo Paes retomou o que havia sido combinado. Foi feito o projeto e a licitação. A obra começou em junho deste ano e está com as praças praticamente concluídas e o centro sócio cultural em fase final. A previsão de entrega da obra é de inicio de fevereiro de 2023”.

Outro ponto que vem incomodando moradores da Vila Autódromo é a segurança. Eles relatam vários furtos e invasões de propriedades desde que houve a urbanização, ocorrendo um grande aumento de insegurança quando acontecem grandes eventos no Parque Olímpico.

Sentindo o abandono da segurança pública, Luiz Claudio fala que vê esse caso sem solução. “Nós é quem temos que nos cuidar e entregar na mão de Deus. O abandono com relação a segurança é total. Em época de Rock in Rio, por exemplo, a gente fica torcendo para o evento acabar logo, porque fica muita gente de fora perto das nossas casas e problemas de insegurança acontecem”.

Os moradores afirmam que agentes do Barra Presente vão até a Avenida Aberlado Bueno, mas não entram na Vila Autódromo para patrulhar as ruas da comunidade. O Programa Segurança Presente informa que faz rondas gerais por toda a região citada.

As remoções na Vila Autódromo para a construção do Parque Olímpico, onde boa parte das competições das Olimpíadas de 2016 foram realizadas, começaram em 2014. Há um ano, o DIÁRIO DO RIO fez uma matéria mostrando como estava a Vila cinco anos depois dos Jogos.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui