Com obras avançadas, o Restaurante do Povo, da Central do Brasil, deve ser entregue até o final do ano

Com 600 lugares, o Restaurante do Povo deve servir até cinco mil refeições por dia: dois mil cafés da manhã e três mil almoços

Com 70% das obras concluídas, Restaurante do Povo deve ser entregue até o final do ano / Divulgação

O futuro Restaurante do Povo, na Central do Brasil, está com mais de 70% das suas obras executadas em apenas 3 semanas. Com 2 mil metros quadrados de área construída, o empreendimento é considerado o maior restaurante modular do gênero na América Latina. A unidade está sendo erguida pela Quick House, empresa gaúcha vencedora da licitação do Governo do Estado para a realização da obra. A expectativa é de que o Restaurante do Povo seja entregue à população do Rio de Janeiro até o final do ano.

Com 50 operários trabalhando diuturnamente, a unidade consumirá 200 toneladas de aço galvanizado até a sua finalização. Com 600 lugares, o Restaurante do Povo deverá servir até cinco mil refeições por dia: dois mil cafés da manhã e três mil almoços. A construção, que receberá equipamentos de ponta e será todo climatizado, tem um custo total R$ 6,7 milhões. O restaurante foi licitado pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Obras (Seinfra).

O material usado na edificação da unidade é 100% reciclável. A Quick House aplicou o modelo construtivo Steel Panel, uma criação própria patenteada no Brasil e nos Estados Unidos. Tal modelo segue o princípio de construção a seco, utilizando placas de aço galvanizado. O processo dispensa o uso de argamassa e cimento, reduzindo o consumo de água e energia. Todo o material usado na execução da obra – placa cimentícia, gesso e lã de vidro – foi fornecido pela empresa líder mundial de materiais para a construção em seco: a Saint Gabain.

Segundo o presidente-fundador da Quick House, Luciano Simões Lopes, o Restaurante do Povo, da Central do Brasil, será uma obra que entrará para o legado da empresa pela sua grandiosidade e papel social desempenhado junto à população fluminense.

“Temos um processo construtivo ambientalmente sustentável, que permite que seja uma obra limpa, sem resíduos. É um orgulho estar construindo aqui no Rio o maior restaurante desse tipo na América Latina. É uma obra emblemática que vai entrar para o legado da empresa por sua grandiosidade e sua importância social”, afirmou Luciano Simões Lopes.

Com 12.800 m² e capacidade para 300 leitos, o Hospital Modular Dr. Ricardo Cruz, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, foi outro empreendimento do Estado do Rio erguido através do sistema Quick House, que é detentor do Selo Verde de Gestão Socioambiental Responsável, concedido pelo Instituto Internacional Socioambiental Chico Mendes. O hospital foi erguido em apenas 60 dias durante a pandemia de Covid-19.

As informações são da rádio Tupi.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui