Com quase 40% de crianças e adolescentes acima do peso, Niterói terá projeto para lidar com obesidade infantil

Regiões de Pendotiba e Norte II foram definidas como prioritárias para receber as ações da iniciativa

Reunião entre representantes municipais de Niterói e o Instituto Desiderata - Foto: Divulgação

O município de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, iniciou os trâmites para implementar uma estratégia de prevenção e cuidado?à?obesidade infantojuvenil.?Um termo de cooperação técnica ?entre?a Secretaria de Saúde local e o Instituto?Desiderata cria protocolos de atendimento que orientarão os profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre as condutas a serem seguidas dentro da rede de saúde da cidade, desde o atendimento na ação primária até a atuação hospitalar, já que diversas?comorbidades?estão relacionadas?à?obesidade. Vale ressaltar que o projeto conta com o apoio da Umane e do Instituto Phi.

De acordo com registros do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), do Ministério da Saúde, 36,5% das crianças e adolescentes residentes em Niterói e atendidos pela Atenção Primária à Saúde do SUS em 2020 apresentavam excesso de peso, percentual ainda mais elevado do que o identificado em nível nacional e estadual.

Devido aos números relevantes, a iniciativa envolverá outras pastas do município, como as secretarias de Educação, de Direitos Humanos (SDH), de Conservação e Serviços Públicos (Seconser) e de Urbanismo e Mobilidade (SMU), além da Coordenadoria da Juventude.

”Trabalhar a obesidade infantil não é problema só da Secretaria de Saúde. Mais do que curar,?é importante prevenir”, destaca o gerente de projetos do Instituto?Desiderata, Raphael Barreto.

Regiões prioritárias

Um estudo técnico desenvolvido pela Sala de Situação e Saúde identificou as regiões de?Pendotiba?e Norte II como prioritárias para receber as ações do projeto, que deve impactar aproximadamente 120 mil crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos.

Segundo o cronograma do?Desiderata, o objetivo é implantar a linha de cuidados nos próximos 6 meses?nos bairros Badu, Cachoeira, Cantagalo, Ititioca, Largo da Batalha, Maceió, Maria Paula, Matapaca, Muriqui, Sapê, Vila Progresso, Baldeador, Barreto, Engenhoca e Tenente Jardim.

”A curto prazo, pretendemos sensibilizar os moradores dessas regiões,?onde o projeto será desenvolvido. A longo prazo, queremos observar uma mudança de comportamento, com adultos mais preocupados com a questão da saúde”, disse?a subsecretária de Redes, Maria Angélica Duarte.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui