Foto: Reprodução/Internet

Manter uma alimentação saudável no dia a dia das crianças é, na maioria das vezes, um desafio para os pais. Porém, vale ressaltar que o importante é dar o 1º passo, não almejando a perfeição mas sim o que é possível, e sempre com equilíbrio.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

A nutricionista Saridiele Oliveira, especializada em nutrição maternal e pediátrica, passou algumas dicas de como cuidar.

O Ministério da Saúde recomenda que a criança seja amamentada já na 1ª hora de vida e por 2 anos ou mais, sendo exclusivo nos primeiros 6 meses. A dica é contar com uma rede de apoio dentro de casa, no trabalho e na creche, para manter esse vínculo.

A amamentação deve ser exclusiva até os 6 primeiros meses de vida e complementada até 2 anos de idade ou mais, uma vez que o leite materno possui todos os nutrientes necessários e na medida certa para o desenvolvimento do bebê. Mas, para aquelas mães que não têm a possibilidade de amamentar, a opção deve ser a fórmula infantil.

A alimentação complementar é outro ciclo na vida dos pais, com inúmeros desafios. Dentre eles, a não oferta de açúcar nos 2 primeiros anos de vida da criança, e de alimentos ultra-processados, como biscoitos, geleia, petit suísse, mingau e bolinhos.

Além disso, sucos de frutas não devem ser oferecidos para os bebês antes de 1 ano de idade, uma vez que o suco é pobre em fibras e possui um alto índice glicêmico, ou seja, ocorre a elevação rápida da glicose no sangue.

Após 1 ano de idade, o ritmo de crescimento da criança não é o mesmo que antes, com isso o apetite pode diminuir, fazendo com que algumas crianças não comam da mesma forma. Para passar por essa fase, é importante sempre variar a alimentação dos pequenos, oferecendo diferentes frutas, legumes e verduras; não utilizar de artifícios para a criança se alimentar, como vídeos, televisão, brincadeiras ou qualquer outro tipo de distração; deixar a criança participar da escolha dos alimentos, da preparação das refeições, para que ela sinta que faz parte do processo, além de estimular todos os sentidos.

É de suma importância que, na fase dos 2 primeiros anos de vida da criança, os alimentos ofertados sejam selecionados com atenção para os pequenos, uma vez que este período é primordial para formação do paladar e de bons hábitos alimentares da criança.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui