Como os times de futebol passaram a se tornar investimentos?

Os times são mais do que a soma de suas partes, é claro, com torcedores, forma e futebol juntos – mas ter um time de superestrelas ajuda enormemente nesta era de fusões e aquisições esportivas

Foto de RF._.studio:

Com uma Copa do Mundo “fora de época” em pleno andamento, o futebol é o centro das atenções no final do ano para apostadores esportivos no thegruelingtruth.com

Estrelas caras como Lionel Messi, Kylian Mbappé e Neymar estão fazendo jus ao seu hype e preços, para o prazer do Paris Saint-Germain (PSG).

Um desses jogadores poderia estar levantando a Copa do Mundo em cerca de uma semana, o que sem dúvida desencadeará toda uma cadeia de novos patrocínios, oportunidades de marca e mercadorias para os indivíduos – e aumentará o valor do PSG.

Os times são mais do que a soma de suas partes, é claro, com torcedores, forma e futebol juntos – mas ter um time de superestrelas ajuda enormemente nesta era de fusões e aquisições esportivas.

A grande palavra dos EUA

O rolo compressor do futebol raramente perde força, especialmente em ano de Copa do Mundo.

Portanto, este parece ser um momento logicamente sensato para os donos de “franquias” domésticas colocarem seus clubes à venda.

Já tem sido um ano movimentado para as vendas de clubes de futebol, com o Chelsea e o Milan já fora dos blocos – e as assinaturas de venda em Liverpool.

Existe até uma tentativa para o Manchester United, que está listado em Nova York.

Comprar um clube de futebol costumava ser um projeto de vaidade caro para bilionários entediados e uma forma de comprar influência e até legitimidade.

O dinheiro dos homens ricos ainda está envolvido, mas os consórcios profissionais são agora os licitantes, com dinheiro de private equity misturado.

E por que, então, os clubes estão apostando em quantias tão altas?

Um ano decepcionante para ativos convencionais e criptográficos pode ser um fator.

Os IPOs têm sido escassos, o Bitcoin despencou e isso pode ter tentado o dinheiro sério a procurar ativos alternativos ou “reais”.

Enquanto os clubes pagam muito em salários, eles também trazem muito dinheiro em recibos de bilheteria (pandemia à parte), e as oportunidades de marca/marketing/patrocínio são lucrativas.

Também houve uma mudança global no poder dos investidores chineses/russos para os da América do Norte e Oriente Médio, esta última região impulsionada pelos ganhos do preço do petróleo.

Com a América do Norte sediando a próxima Copa do Mundo, os magnatas da região surgem estando profundamente envolvidos no futebol europeu.

O Liverpool é propriedade de John W. Henry por meio do Fenway Sports Group e o bilionário Todd Boehly fazia parte do consórcio vencedor que comprou o Chelsea.

Tanto Henry quanto Boehly têm experiência em possuir franquias esportivas bem-sucedidas nos Estados Unidos, como os times de beisebol Boston Red Sox e LA Dodgers.

As firmas de private equity dos EUA também estão na frente e no centro no fornecimento de financiamento.

A empresa californiana Clearlake venceu a licitação pelo Chelsea FC, e a RedBird Capital, com sede em Nova York, comprou o Milan da Itália este ano.

Por que futebol e por que agora?

As razões são várias. Alguns clubes são mais bem administrados financeiramente do que no passado, e as equipes de gestão (no nível da diretoria e do campo) são cada vez mais profissionais e bem preparadas.

A escassez também é um fator.

Esta entrada em massa de novos investidores em um mercado onde a oferta é quase completamente inelástica (o que significa que é praticamente impossível criar novos clubes de futebol do zero) está fazendo com que os preços desses ativos subam acentuadamente, e essa tendência deve continuar.

Esse influxo de dinheiro novo deve resultar em retornos atraentes para aqueles que são capazes de olhar para a frente e selecionar os ativos certos.

Pensar nos estádios como ativos reais de infraestrutura também ajuda.

Afinal, se os estádios incluem espaços adequados para receber eventos corporativos, conferências, shows ou outros eventos esportivos, por que os clubes proprietários devem limitar suas atividades comerciais a sediar uma partida a cada duas semanas?

Agora que a bolha da tecnologia estourou, as franquias de futebol poderiam seguir o exemplo em algum momento?

Ter fãs e marcas pode ser poderoso, mas os troféus são a única métrica chave no mundo do futebol.

Clubes históricos como Manchester United e Milan não vencem a Liga dos Campeões desde 2007-2008, enquanto o Manchester City parece ter um estrangulamento na Premier League, que ganhou cinco vezes na última década.

E o Paris Saint-Germain? Pode ter os jogadores e o dinheiro, mas suas vitórias na Liga dos Campeões são zero.

O futebol é um assunto repleto de estrelas, mas você não ganha apenas com uma asa e uma oração.

Nenhum time quer ser todo casaco de pele e sem chutadores.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui