Concessionária do Cemitério do Caju destrói patrimônio histórico: “combate à dengue”

Destruídos pela administração do cemitério do Caju, túmulos em mármore com vasos e urnas se tornam pilhas de cacos, em meio ao aparente desprezo da concessionária pelo patrimônio histórico

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Na imagem, a barbárie contra a arte cemiterial da cidade, com vários vasos quebrados

A alta de casos de dengue no Rio de Janeiro deixou cariocas e fluminenses em estado de alerta. Autoridades públicas, estaduais e municipais, montam estratégias para salvaguardar a saúde da população e evitar mais contaminações ou mortes. Ações contundentes são importantes neste tipo de cenário. Mas a razoabilidade – assim como a lei – devem nortear as atitudes a serem tomadas.

No cemitério do Caju, na Zona Portuária da cidade, um verdadeiro descalabro foi posto em prática para supostamente evitar a proliferação do mosquito transmissor da doença, o Aedes Aegypti. Os responsáveis pela concessão do cemitério decidiram destruir todos os vasos em mármore dos túmulos e, mausoléus, sem levar em consideração a época que os objetos foram confeccionados, e a sua importância histórica. “Nunca ouviram falar em encher de areia ou manter um dreno”, se impressiona Marconi Andrade, da SOS Patrimônio: “isto é uma insanidade absurda, estes vasos são trabalhos de artesanato de valor inestimável. Tanto que em cemitérios paulistas viviam sendo roubados até mesmo por celebridades. Isso é um absurdo, estou perplexo”, diz.

Não é preciso ressaltar que a atitude é uma atentado cometido contra o patrimônio cemiterial da cidade, com o argumento de que os vasos são criatórios de mosquito. Além da falta de respeito aos mortos e às suas famílias – que pagaram pelos jazigos e sua decoração, há ainda a questão do prejuízo financeiro, uma que vez que as peças, reduzidas a pequenos cacos, eram todas feitas em mármore, portanto, peças caras. “É o tipo de desmando que impera desde que a Santa Casa da Misericórdia foi apeada do cuidado com os cemitérios da cidade”, diz Ricardo Netto, que visitava um túmulo de um parente.

Providências para que a epidemia de dengue não se alastre ainda mais pelo Rio de Janeiro devem ser tomadas, mas com racionalidade e respeito ao patrimônio histórico carioca. A colocação de areia nos vasos dos cemitérios já teria resolvido o problema. É preciso valorizar a arte cemiterial das necrópoles da cidade, como destaca o arquiteto e urbanista Manoel Vieira:

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

“É inacreditável. Há partes desse conjunto cemiterial que possuem quase 200 anos. Em 1839, por razões higienistas, houve a transferência do cemitério do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia, que era localizado em área lateral à Igreja de Bonsucesso, no Largo da Misericórdia (Centro do Rio), para a Ponta do Caju. Era onde os escravizados eram sepultados. Em 18 de outubro de 1851, foi inaugurada a necrópole de São Francisco Xavier, com o sepultamento da criança Vitória, filha de uma escravizada. A Santa Casa detinha a concessão dos serviços funerários pelo Governo Imperial desde a criação do Cemitério e não me lembro de nada parecido a isso ocorrer. Há cerca de dez anos está com outra gestão e os adornos da necrópole que ajudam a contar a história da arte e da cidade agora foram destruídos. Niterói reduziu em 70% os casos de dengue com tecnologia 100% nacional (FIOCRUZ) e sem destruir nada. É uma barbaridade enorme e o combate à dengue de forma alguma justifica um ato de tamanha ignorância”, disse Manoel Vieira, que é ex-superintendente do  Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Vasos quebrados editado Concessionária do Cemitério do Caju destrói patrimônio histórico: “combate à dengue”
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Concessionária do Cemitério do Caju destrói patrimônio histórico: “combate à dengue”

Advertisement

5 COMENTÁRIOS

  1. Um descaso total,saiu da Santa Casa e foi para uma concessionária que só sabe fazer cobranças indevidas,além de cobrar altos valores e ainda querem obrigar aos familiares trocarem á titularidade o que não é obrigatório.Todos deveriam colocar á concessionária na Justiça pelo dano causado ás sepulturas de suas famílias.

  2. Destruíram patrimônios, jogaram tudo formando um escombro, agora vai ficar por ali formando mais um aparato pra mosquito. O terreno do cemitério é gigantesco, a solução é simples se essa gente, “administradores”, raciocinassem. Cada uma viu..

  3. O mosquito passa a vida no local onde nasceu, apenas voam até 200 metros.

    O cemitério possui dezena de milhares de quilômetros quadrados. Não deveria se preocupar com mosquitos nesses vasos. Até porque, a céu aberto, recebendo influências de sol e correntes de ar a água no vaso nem deve durar 10 dias necessários para o ciclo de vida do mosquito.

    De qualquer forma, medidas alternativas como fazer um furo no caso seria menos pior que destruí-lo.

    • Á concessionária deveria ressarcir todas ás famílias pelo dano causado,isso é caso de polícia e justiça..Minha família também tem jazigo neste cemitério.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui