Congresso ambientalista de municípios reunirá mais de 23 estados em Mangaratiba

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Com mais de 40 painéis e 70 palestrantes, com 23 estados presentes, o 25º Encontro Nacional de Municípios com o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável, promovido pela ANAMMA – Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente, já é grande por si só, garantindo a presença dos principais nomes do ambientalismo brasileiro, o Congresso abordará temas como resiliência urbana, mudanças climáticas, direito ambiental, saneamento básico, governança ambiental, entre outros.

Para o Presidente Nacional da ANAMMA, Marçal Cavalcanti, este congresso é a convergência do estado democrático com a pauta ambiental, unindo grandes nomes para discutir temas atuais de interesse dos municípios.

O Encontro que acontece nos dias 26, 27 e 28 de março, em Mangaratiba/RJ, chamada para o compromisso da COP 30, que ocorrerá em Belém em 2025.

Advertisement

Antonio Marcos Barreto, Vice-Presidente da ANAMMA Nacional, e atual secretário de meio ambiente de Itaguaí destaca que ‘para o Estado do Rio de Janeiro, é uma agenda de grande projeção, demonstrando os interesses de desenvolvimento sustentável que todos desejam e que os governantes devem pautar”. Barreto – que é um dos grandes nomes do ambientalismo estadual, reforça ainda, que houve grande adesão dos municípios, em especial do Estado, e que a presença de 23 Estados, do Governador Claudio Castro, é a consolidação do compromisso do municipalismo ambiental.

Segundo o Coordenador Científico do Congresso – Marcelo Marcondes, Reitor do Instituto ANAMMA e Diretor Jurídico da ANAMMA, o evento irá consolidar a importância dos debates que dialogam com as mudanças climáticas, uma vez que, enfrentamos eventos extremos e quase todos, relacionados com a agenda ambiental urbana – que precisa ser fortalecida. Marcondes destaca que, com a presença de pesquisadores, de nomes com notório saber acadêmico -científico, o desafio de fortalecer a agenda ambiental municipal foi lançado e as práticas do compartilhamento de conhecimentos, estão garantidos no Congresso.

Por fim, Cavalcanti, reforça que mais que do que discutir políticas públicas, é fundamental que gestores públicos, cientistas, consultores, academia e toda sociedade discuta pontos de construção e prática da agenda ambiental brasileira.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Congresso ambientalista de municípios reunirá mais de 23 estados em Mangaratiba
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui