CPI da Alerj discute criação de aviso de desaparecimento de crianças por mensagens telefônicas

O aplicativo será usado pela Polícia Civil e torna obrigatória a divulgação de fotos e informações das vítimas pelas companhias de telefonia celular

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Fachada do Palácio Tiradentes, no Centro do Rio - Foto Cleomir Tavares/Diário do Rio

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que apura casos de desaparecimentos de crianças no Estado realizou, nesta quinta-feira (24/06), reunião para discutir os procedimentos de implantação do Alerta Pri, um sistema de aviso por telefone para solucionar casos de desaparecimentos de menores, regulamentado em março deste ano. O aplicativo será usado pela Polícia Civil e torna obrigatória a divulgação de fotos e informações das vítimas pelas companhias de telefonia celular.

De acordo com a representante do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel (Conix), a gerente de relações institucionais, Daniela Martins, a intenção do grupo é implementar o sistema, mas alega ser necessário seguir o cronograma proposto, que tem como prazo para início da operação o final do mês de outubro deste ano.

“Trouxemos uma proposta factível. Nossa expectativa hoje é começar os trabalhos, se a comissão concordar”, afirmou Daniela.

Para o presidente da CPI, deputado Alexandre Knoploch (PSL), o prazo pode ser encurtado e as operadoras já deveriam começar com um sistema simples de envio de SMS e posteriormente ser aperfeiçoado.

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

“Esse prazo é inviável e se as operadoras não mostrarem a devida atenção ao projeto, elas podem ser indiciadas pelo não cumprimento dessa lei”, apontou o deputado.

Segundo a vice-presidente da CPI, deputada Renata Souza (Psol), as empresas de telefonia móvel alegaram uma inviabilidade por parte da Anatel para cumprir a lei.

Por ofício, o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler de Morais, informou à CPI que a Agência Reguladora reitera que as operadoras devem cumprir a legislação vigente.

Knoploch, disse ainda, que o ofício enviado pela Anatel desmente o posicionamento das operadoras.

Hoje, foi derrubado o mito de que a Anatel era contrária à lei. A agência não só é favorável, como quer ajudar na implementação do Sistema Pri”, declarou o deputado.

Já o gerente regional da Anatel, Rodrigo Vieitas, esclareceu que a operacionalidade do sistema Pri pode usar como base um serviço já oferecido pela agência.

“A Anatel tem um sistema de alertas regulamentado em 2015. É um cadastro ativo, que a população recebe por SMS os avisos de desastres naturais, que pode ser utilizado também para o projeto em questão”, explica o representante da Anatel.

Na próxima reunião, a CPI vai ouvir mães de crianças desaparecidas. Para o relator da CPI, deputado Danniel Librelon, os trabalhos precisam trazer respostas não só para a comissão.

“O problema das crianças desaparecidas se estende há muito tempo. Essa CPI será fundamental para entender as estruturas do estado e as relações entre as instituições. Vamos conseguir trazer respostas para a CPI, mas principalmente para as famílias. Só quem perde uma criança sabe a dor e a pressa que tem”, comentou o parlamentar.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp CPI da Alerj discute criação de aviso de desaparecimento de crianças por mensagens telefônicas

Costa do mar, do Rio, Carioca, da Zona Sul à Oeste, litorânea e pisciana. Como peixe nos meandros da cidade, circulante, aspirante à justiça - advogada, engajada, jornalista aspirante. Do tantã das avenidas, dos blocos de carnaval à força de transformação da política acreditando na informação como salvaguarda de um novo tempo: sonhadora ansiosa por fazer-valer!
Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui