Cremerj realiza ações de revitalização de praça na Rua Farani, em Botafogo

Cremerj quer que a Chaim Weizmann seja conhecida como a Praça dos Médicos. Para isso, aposta na revitalização do logradouro, onde serão realizadas atividades para os médicos e para a população

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Praça Chaim Weizmann / Wikimapia

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), localizado nas proximidades da Praça Chaim Weizmann, na Rua Farani, em Botafogo, Zona Sul da cidade, quer que o local fique conhecido como a Praça dos Médicos. Na última semana a entidade, que disse ter feito uma parceria com a Prefeitura do Rio, fez uma série de intervenções no logradouro, que teve bancos e canteiro de plantas pintados, podas de árvores e preparo para um plantio de mudas, que ainda será realizado. A muda para marcar a revitalização da praça será o plátano, vegetal de origem grega, conhecida como a Árvore de Hipócrates, o pai da medicina.

O objetivo das transformações é realizar atividades voltadas para os profissionais de saúde e para a população, além de tornar espaço mais bonito e aprazível para todos.

A Chaim Weizmann estava abandonada há anos, segundo a presidente da Associação de Moradores de Botafogo (Amab), Regina Chiaradia. O espaço estava sem adotante, o que acabou gerando uma deterioração da qualidade local.

“Há muito tempo a praça não recebe atenção do poder público. Roubaram todas as lâmpadas; é uma escuridão, e ela vive cheia de usuários de drogas, disse Chiaradia ao jornal O Globo. Ela, que costuma levar o seu cão para passear na praça, disse ainda que, apesar das intervenções feitas, o local ainda precisa de mais ações.

Advertisement

De acordo com o veículo, a subprefeitura da Zona Sul teria afirmado que não foi procurada pelo Cremerj para a realização da adoção do local. A subprefeitura destacou ainda que na Fundação Parques e Jardins não há registro de inclusão da instituição no programa Adote Rio.

A subprefeitura esclareceu que esquipes da Secretaria Municipal de Assistência Social atuam diariamente no bairro prestando assistência social aos necessitados, mas não realiza qualquer tipo de acolhimento compulsório, em respeito à legislação vigente. De acordo com a subprefeitura foram realizados 1.083 atendimentos, 716 encaminhamentos e 33 acolhimentos em Botafogo, no período de julho a setembro deste ano.

A Secretaria de Ordem Pública (Seop) informou que atua diariamente em conjunto com a Secretaria de Assistência Social no ordenamento, desobstrução de área pública e acolhimento da população de rua, especialmente em regiões do bairro onde há concentração de usuários de drogas. Neste ano, segundo a Seop, foram apreendidas 419 facas e objetos perfurocortantes, além de 322 materiais para uso de entorpecentes.

Ao jornal, a Rioluz afirmou que fará a reposição do material furtado, além dos reparos necessários. O órgão relatou que, de janeiro a setembro de 2023, sofreu um prejuízo de R$ 7 milhões por conta dos furtos de cabos e luminárias. Algo nunca visto em 32 anos de atuação da entidade.

A Comlurb esclareceu que a faz a varrição diária da Chaim Weizmann, lavagem com água de reúso duas vezes por semana, além de roçada quinzenal. A Comlurb esclareceu ainda que, em agosto de 2022, fez a pintura de todo mobiliário da praça.

Informações: O Globo

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Cremerj realiza ações de revitalização de praça na Rua Farani, em Botafogo
Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui