Crítica: Bar Léo no Centro do Rio

Crítica: Bar Léo no Centro do Rio

12 de novembro de 2018 3 Por Quintino Gomes Freire
Compartilhe

Outro dia fomos fazer uma matéria sobre o famoso Arco do Teles, e sobre a Praça XV, e não dá pra não confessar que ficamos com muita curiosidade ao ver o prédio incrível, lindamente restaurado, que fica bem na esquina da Rua do Ouvidor com a Rua do Mercado. Aquelas 36 portas e janelas vermelhas chamam muita atenção.

Então hoje acabei espiando lá dentro e descobri que lá funciona o Bar Léo, filial de uma rede paulista, que aliás, é tão bonito por dentro quanto por fora. Mas o mais legal é que o botequim tem alma carioca. Carioquíssima. O garçom me disse que o Botequim lota quando tem o já conhecido “Samba da Ouvidor”, e sempre nos happy hours a partir de quarta-feira.

Sentamos pra comer já meio tarde, tipo 4 da tarde. Todos os botequins em volta já estavam preparando para a limpeza, e etc, mas o Bar Léo tava em pleno funcionamento. Claro, pedimos o Chopp (R$ 7,40), que segundo o garçom é o melhor do Rio; também pudera, nos contou que a máquina de onde tiram o Chopp vem de Munique, e é cheia de sacanagem, para que o Chopp saia absolutamente perfeito. E assim foi, geladíssimo, irretocável, a espuma um creme delicioso, e assim mandamos pra dentro.

De entrada pedimos um sanduíche de rosbife (R$ 39,00) que vem todo cortadinho – se não gosta de picles, fique atento e peça sem – num formato de anfiteatro – redondinho, bacana mesmo. Estava delicioso, muito bem temperado e acompanhava muito bem o chopp.

O Bar não tem ar condicionado, então o Chopp desce como um bálsamo; mas acho que seria uma ideia pro verão cuidar da instalação de ar refrigerado no local. Você pode sentar dentro, em um de 3 ambientes (mezanino, embaixo do mezanino, e no salão principal). Se puserem o ar refrigerado mesmo assim quem não gosta de frio vai ter onde sentar; tem lindos ombrelones personalizados na rua, com mesas muito simpáticas. Realmente um nível acima de cuidado e manutenção, acima da grande maioria dos bares e restaurantes do local.

De prato principal pedimos o Supremo de Frango (R$ 39,00). Pode falar palavrão aqui? Melhor não. Estava do car****! A banana frita molinha por dentro e crocante por fora. O filé de frango nem fino demais, nem grosso demais, super bem temperado e com a casquinha igualmente crocante. Arroz saboroso, ervilhas, bacon cortado fininho e crocante, e o palmito….ai meu Deus o palmito! O palmito estava firme e desmanchando na boca, simplesmente como tem que ser. Poucas vezes um supremo de frango comido num botequim aqui do Centro esteve tão supremo. Até a pimenta dedo de moça que vem à parte eu comi. Altamente indicado, é daqueles almoços que a gente tem pena quando termina.

Como sobremesa comi o Strudel de Maçã com sorvete (R$ 17,50), honesto, com sorvete na consistência correta. Tudo isso foi saboreado ao som de blues, que tocava nas caixas de som do restaurante. A experiência foi exatamente o que se esperaria de um excelente botequim, sediado num prédio centenário, no centrão do Rio de Janeiro.

Vamos voltar lá. Qualquer carioca deve fazê-lo, nem que seja pra ver o primoroso trabalho de restauração feito lá.

Nota: 

Serviço

Bar Léo
Rua do Ouvidor 18, Centro
Tel: 2039-1302.
Seg e ter, das 11h às 21h. Qua a sáb, das 11h à meia-noite. Dom, das 11h às 18h

Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.


Compartilhe