Cúpula dos Povos Rio+30 reúne 180 organizações da sociedade civil

Evento marca três décadas da realização da Rio Eco 92

Foto: Divulgação

Mais de 180 ONGs, movimentos, coletivos e redes de porte nacional e internacional estão reunidos na articulação de um grande evento em outubro: A Cúpula dos Povos Rio+30.  O evento aproveita o marco de trinta anos da realização de Rio Eco-92, para dar voz à pauta socioambiental, em um período de enorme retrocesso em políticas de proteção social e ambiental no país.

A Cúpula se apresenta como um movimento de convergência para promoção de atividades de articulação e debates técnicos e temáticos entre instituições, organizações e movimentos sociais, no crítico cenário de violação da natureza e dos povos.  As organizações estão envolvidos na promoção de ações e lutas contra os ataques à natureza e violações dos direitos da população.

A proposta é estabelecer um processo afirmativo de acumulação de forças e construção conjunta de proposições socioambientais no âmbito da sociedade civil organizada a serem finalizadas em outubro sob os temas Justiça, Clima, Diversidade, Terra, Trabalho, Teto e Pão em defesa da vida e da soberania dos povos.

O Rio de Janeiro vai sediar de 17 a 19 de outubro a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável e Inclusivo – Rio+30 – Cidades, que marca as três décadas da realização da Conferência Rio Eco-92. O evento é organizado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, com o apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

A Cúpula se apresenta como contraponto a essa voz oficial e empresarial, trazendo a contribuição das organizações da sociedade civil de porte nacional e internacional, movimentos sociais, coletivos e redes ligados ao desenvolvimento sustentável, à defesa da democracia e da justiça social. Sua realização se dará em paralelo ao evento oficial como já ocorreu com enorme sucesso durante a conferência internacional Rio+20, realizada em 2012.

Em paralelo à Rio+20, a Cúpula dos Povos realizou um evento de 12 dias no Aterro do Flamengo, com mais de 20 mil inscritos de todo mundo e uma circulação total estimada em 100 mil pessoas. Foi uma demonstração de força da sociedade civil brasileira e global, que teve participação decisiva não apenas monitorando as atividades dos diversos governos, mas exercendo papel ativo e fundamental na denúncia e proposição de medidas inovadoras para solucionar os graves problemas socioambientais. A Cúpula dos Povos Rio+30, organizada de forma colaborativa por mais de 180 organizações de porte nacional e internacional, garantirá que mais uma vez que a sociedade civil brasileira possa ter uma atuação marcante e condizente com seu status como um ator essencial na defesa dos direitos das populações marginalizadas e contra um modelo de desenvolvimento excludente e causador de graves danos socioambientais, políticos e econômicos.

O objetivo da Cúpula dos Povos Rio+30 é promover a ampla participação popular no debate socioambiental e na visão crítica dos compromissos assumidos por governos e empresários na Rio Eco 92 e que ao longo de três décadas por um lado não foram cumpridos e, por outro, transformaram-se em soluções que não trataram a raiz dos problemas, resultando no agravamento da crise climática e seu enorme impacto social. Desde 2012, se tenta justificar com o batismo de “soluções verdes” novas formas de avanço do capital sobre a natureza, mas o que permanece é a ameaça, traduzida no aquecimento global como um medidor do desastre que se aproxima até 2050.

QUEM FAZ A CÚPULA DOS POVOS RIO+30

A articulação para realização da Cúpula dos Povos Rio+30 existe há cerca de um ano, reunindo representantes de movimentos sociais, organizações comunitárias, grupos de base, organizações feministas, sindicatos, movimentos socioambientalistas, ONGs de defesa de direitos e articulações de povos e comunidades tradicionais. Em um documento elaborado coletivamente, apresentam suas perspectivas e principais questões, tais como: a defesa dos direitos civis, o fortalecimento de canais de democracia participativa, o enfrentamento aos fundamentalismos, a emergência climática, a luta pela saúde dos Oceanos e Rios, a pauta antirracista, com destaque para o racismo ambiental, e mudanças profundas no modelo de desenvolvimento dominante que se baseia na super exploração do mundo do trabalho e na acumulação ilimitada de bens e riquezas por poucos.

INTENSA PROGRAMAÇÃO DE DEBATES PÚBLICOS: A CÚPULA JÁ COMEÇOU

O debate público já começou em março com a realização dos Círculos de Vozes e Saberes da Cúpula dos Povos, uma extensa agenda de reuniões públicas e plenárias virtuais e presenciais para discutir 11 temas que proporcionam transversalidade às pautas das diferentes organizações, movimentos, coletivos e redes participantes. São eles:

  • 1 – Rios e oceanos: Águas para a Vida 
  • 2-  Energia para a soberania dos povos  
  • 3 – Direito a cidades habitáveis e justas
  • 4 – Destruição do Meio Ambiente e do Mundo do Trabalho
  • 5 – Extrativismo neocolonial dos corpos, povos e territórios 
  • 6 – Economia do cuidado x Financeirização da vida
  • 7 – Estratégias pluralistas frente às estruturas racistas e patriarcais 
  • 8 – Fundamentalismos e exclusões: ameaças à TERRA e à sociobiodiversidade
  • 9 – Territórios e terras livres para a soberania alimentar e da vida nos campos
  • 10 – Justiça Climática e Sociobiodiversidade
  • 11 – Povos e Comunidades Tradicionais

Têm construído a Cúpula dos Povos representantes de movimentos socioambientais do Brasil e do mundo a exemplo das entidades da sociedade civil global que se reúnem nas seguintes redes e coletivos:

Neste conjunto, a Comissão Facilitadora que auxilia o seguimento do processo de mobilização da Cúpula dos Povos Rio+30 é composta por: Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais (ABONG), Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB), Articulação dos Povos Indígenas do brasil (APIB), Central de Movimentos Populares (CMP), Coletivo Memória e Utopia, Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos (CONAQ), Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento  (FBOMS), Fórum Ecumênico ACT Brasil (FEACT Br), Fórum Reforma Urbana, Fórum Social Panamazônico (FOSPA), Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Socioambiental (FMCJS), Greenpeace, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Via Campesina Brasil, Fridays for Future Brasil, Coalizão Negra por Direitos.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui