Dani Monteiro: Fim do SuperaRJ e a comida que vai faltar aos mais pobres

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Era uma vez um programa de distribuição de renda às famílias pobres do estado do Rio. Instituído para ajudar no enfrentamento da pandemia de Covid-19, o SuperaRJ está com o fim devidamente decretado.

Com exatos atuais 64.921 beneficiários ativos, o programa concede até R$ 300 para famílias de baixa renda do estado que não têm acesso ao Bolsa Família. É pouco, foi uma medida emergencial, mas, vamos combinar, aqueles que recebem sabem bem a falta que esses recursos farão.

Coincidentemente, a medida foi corroborada na mesma semana em que conhecemos as conclusões do 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil (VIGISAN). Segundo os dados divulgados agora, com recortes de raça e gênero, pessoas negras, mulheres e famílias que convivem com o desemprego e de menor poder aquisitivo são as maiores vítimas da insegurança alimentar em nosso país. E eis que o racismo aparece: 20,6% das famílias que são chefiadas por pessoas que se autodeclaram pardas e pretas ficaram sem comida no prato durante a pandemia.

A incerteza permanece, mas parece insuficiente para sensibilizar aqueles cuja obrigação é criar políticas públicas igualitárias. Não à toa, durante a votação do fim do SuperaRJ proposto pelo governo estadual, bradamos – os deputados progressistas -, contra o fim do benefício. Nenhum argumento foi suficiente. O governo insistiu que o auxílio estadual foi adotado como medida emergencial, que a suspensão era necessária para o cumprimento do famigerado Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e suas obrigações. E levou, com 47 votos contra outros nem tão minguados 19.

Advertisement

Leia também

MP é acionado para investigar manifestantes que declaram apoio ao Hamas na frente da Câmara do Rio

Deputados propõem destinar R$15 milhões da Alerj para 10 municípios afetados por chuvas no RJ

Sim, o Rio teve, por um curto período que seja, um programa próprio de enfrentamento à extrema miséria. Infelizmente, acabou.

O embate no plenário foi longo e árduo. As negociações entre governistas e oposição envolviam a nossa tentativa de estender o benefício até o final de 2023. Mas, no fim, o máximo que levamos, para reduzir os danos, foi o pagamento de mais dois meses e uma promessa de transferência dos milhares de famílias para programas similares do governo federal. A política do atual governador, para quem ainda não entendeu, é aquela em que aos pobres, nem mesmo pão, que dirá brioches.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Dani Monteiro: Fim do SuperaRJ e a comida que vai faltar aos mais pobres

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui