Dani Monteiro: O início do ano legislativo e o que vem por aí

'Com cinco deputados, a bancada do Psol pretende fazer muito barulho por causas justas'

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Os trabalhos na Assembleia Legislativa do Rio começaram. E já parafraseando o nosso sempre afiado Djonga, “vamo com tudo ou passa a régua e fecha a conta, a vida é folha em branco, a história, nós monta”. E nós vamos, sempre e sem medo. A primeira semana de atividade em plenário nos mostrou que o ano será de luta, mas a isso nós estamos acostumados. Com cinco deputados, a bancada do Psol pretende fazer muito barulho por causas justas.

A primeira medida do meu mandato, que segue feito a muitas mãos, foi protocolar uma CPI sobre as tragédias ambientais que tantas vítimas fazem a cada verão em território fluminense. Nosso objetivo é apontar responsabilidades, causas e, obviamente, apontar caminhos para que as tragédias não continuem se repetindo como se as mortes fossem naturais e os desastres inevitáveis. Mas ainda vamos ter de conversar e negociar para conseguirmos emplacar essa pauta tão urgente para quem sofre as consequências das chuvas e enxurradas.

É fato que os debates e também os embates são exaustivos, mas é por eles que se faz política. É pela troca e pelas discordâncias necessárias, mas essencialmente pelo respeito às regras da Casa que compomos e também aos eleitores, que nos deram votos de confiança e esperança de que esse Rio de Janeiro pode ser melhor se for mais justo.

À frente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania, lugar que ocupo há dois anos, pretendo estreitar ainda mais os laços com a população das periferias, pretos e pobres, vítimas em potencial quando as políticas públicas não lhes abarcam. É essa gente, afinal, que chega a nós quase sempre como último recurso, o amparo que lhes é negado pelo estado, esse que deveria protegê-las.

Advertisement

Leia também

Esgarçamento da polarização direita e esquerda pode afetar eleição carioca?

Aterro Restaurado e o Fim do Pulinho de São Conrado

A política, portanto, é a nossa trincheira contra a violência que nos mata ainda jovens só porque temos a pele preta. Contra a intimidação, eu convido, principalmente a juventude fluminense, a se expressar e a construir conosco um lugar mais amistoso para todos. O gabinete está aberto. E de volta ao Djonga, “fecha as porta do passado, abre o peito e bora”. Dá pra ser?

*Dani Monteiro é deputada estadual reeleita pelo Psol para o segundo mandato e presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Dani Monteiro: O início do ano legislativo e o que vem por aí

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui