Decisão do TCU mantém restrição de voos no Santos Dumont

Ordem do ministro Benjamin Zymler rejeitou pedido inicialmente formulado pela prefeitura de Guarulhos para derrubar restrição imposta em portaria do Governo Federal

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Caos no Aeroporto Santos Dumont (Foto: Reprodução Redes Sociais)

O Tribunal de Contas da União decidiu, neste sábado (30/12), manter a restrição de voos internacionais no aeroporto Santo Dumont, localizado na Região Central do Rio. A ordem é do ministro Benjamin Zymler e foi divulgada inicialmente pela Globonews.

O ministro rejeitou o pedido inicialmente formulado pela prefeitura de Guarulhos para derrubar a restrição imposta em portaria do Governo Federal, via Ministério de Portos e Aeroportos. A medida prevê que, em 2024, só voos que ultrapassem 400 km de distância possam aterrissar na capital. Os demais, precisam obrigatoriamente pousar no Galeão, na Ilha do Governador.

A medida foi adotada pelo governo federal justamente para salvar as operações do Galeão, que está com capacidade ociosa. Cerca de 10 milhões de passageiros transitam no Santos Dumont. Com a portaria, a capacidade máxima ficará em 6,5 milhões de passageiros.

O ministro entendeu que não era o caso de derrubar a norma antes mesmo de sua implementação e que é preciso avaliar os resultados e a adequação da mudança antes de promover qualquer alteração.

Advertisement
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Decisão do TCU mantém restrição de voos no Santos Dumont
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. A atitude do prefeito de Guarulhos mostra bem o grau de interesse de outros prefeitos/governadores/concessionárias de aeroportos e talvez até companhias aéreas no declínio do Galeão. Essa decadência fez com que passageiros oriundos do Rio ou tendo como destino o Rio passassem por outros aeroportos, principalmente Guarulhos, o maior aeroporto internacional do Brasil. Mas, pelo que eu soube, o TCU considerou, recentemente, que as duas decisões do governo federal são válidas, ou seja, tanto a primeira decisão (limitação de SDU a voos ligando SDU a aeroportos a menos de 400 km que não sejam internacionais), quanto a segunda (limitação do número de passageiros/ano em SDU a 6,5 milhões) são igualmente válidas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui