Defensoria Pública do Rio apresenta medidas para prevenir ataques às escolas

Documento foi enviado à Secretaria de Estado de Educação e prioriza ações para estimular cultura de paz entre alunos, responsáveis, educadores e comunidade

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Defensoria Pública

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DPRJ) encaminhou à Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) sugestões para prevenir a violência nas escolas. O documento foi enviado no fim da tarde desta sexta-feira (14) e recomenda a criação de um plano de ação, com medidas para estimular a cultura da paz e a resolução de conflitos de forma mediada. Também propõe a ampliação das equipes multidisciplinares e do número de porteiros e inspetores para atender toda a rede de ensino. 

Assinado pela Coordenação da Infância e Juventude, Coordenação de Saúde, Coordenação de Tutela Coletiva e Núcleos Regionais de Tutela Coletiva da Defensoria, o documento foi elaborado após reunião, na última terça-feira (12), do Comitê Intersetorial de Segurança nas Escolas, criado pela Seeduc e integrado pela DPRJ. O plano de ação sugerido pela instituição prevê a ampliação das equipes multidisciplinares, compostas por assistentes sociais e psicólogos, em número suficiente para atender estudantes e seus responsáveis. Também recomenda a contratação do serviço de portaria para suprir a demanda por monitoramento e segurança existente nas escolas do estado. 

A Defensoria propõe também a criação de um programa de mediação e educação, voltado  para uma cultura de paz, que priorize o combate à ocorrência de atos envolvendo machismo, racismo, homofobia e bullying. Outra sugestão da DPRJ é a elaboração de cursos voltados aos educadores, para que desenvolvam as competências relacionais, sociais e emocionais desejáveis para uma boa convivência com os alunos e suas famílias, a partir da escuta, empatia e comunicação assertiva e não-violenta. 

“É preciso fortalecer os vínculos entre todos os membros da comunidade escolar, fazendo aquele um espaço de acolhimento, proteção e cuidado, como deve ser”, explicou o defensor Rodrigo Azambuja, coordenador da Infância e Juventude. 

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

O documento sugere ainda o desenvolvimento de programas para estimular a participação ativa dos pais e da comunidade na prevenção da violência escolar. E também o encaminhamento de informações à Defensoria caso redes sociais descumpram a obrigação de remover conteúdos que façam apologia aos ataques às escolas.

“Defender direitos de crianças e adolescentes é dever de toda a sociedade. Os provedores não podem se eximir desse dever. A Defensoria está à disposição da sociedade para cobrar ações das plataformas de redes sociais na remoção de conteúdos”, destacou a defensora Raphaela Jahara, coordenadora de Tutela Coletiva. 

No que diz respeito à adesão, pelo Estado do Rio, ao Programa Nacional de Segurança nas Escolas, lançado pelo Governo Federal, a Defensoria sugere que os esforços sejam concentrados, sobretudo, nas áreas temáticas II, III, V e VI, que tratam respectivamente da “capacitação e especialização na prevenção em segurança no ambiente escolar”; “pesquisa e diagnóstico na prevenção em segurança no ambiente escolar”; “ações educativas e culturais com foco em prevenção às violências observadas no ambiente escolar”; e “estruturação de observatórios de violência nas escolas”.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Defensoria Pública do Rio apresenta medidas para prevenir ataques às escolas

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui