Deputada visita o Jacarezinho e afirma que a chacina é expressão da miséria

Renata Souza, eleita pelo PSOL, esteve na favela na última segunda-feira, dia 17/05

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Reprodução

Em visita técnica ao Jacarezinho, nesta segunda-feira (17/5), a deputada estadual Renata Souza (PSOL), presidente da Comissão Especial de Enfrentamento à Miséria e à Extrema Pobreza da Alerj, percorreu a comunidade, ouviu moradores, agentes de saúde e lideranças comunitárias, e constatou: “Não foi por acaso que ocorreu o massacre promovido pelo Estado no Jacarezinho no último 6/5. Essa chacina é uma expressão cruel da miséria em que vive a população da favela”.

Lixo acumulado, infestação de ratos, os mais altos índices de tuberculose do estado, desemprego, falta de comida, de água e esgoto, de moradia e de políticas públicas para a juventude. Essa é a realidade da favela do Jacarezinho, localizada na Zona Norte do Rio. Os problemas aparecem na paisagem e nas vozes de seus moradores, nas quais aparecem de forma recorrente as palavras “esquecidos”, “invisíveis” e “abandonados”.  

Na visita, em cerca de três horas e meia, Renata visitou a quadra da escola de samba Unidos do Jacarezinho, a Clínica da Família, a Associação de Moradores e o Núcleo Independente e Comunitário de Aprendizagem (Nica), que oferece um pré-vestibular comunitário. No percurso, ouviu moradores, lideranças comunitárias e agentes de saúde. Além disso, a deputada conversou com a mãe de um dos 28 mortos na recente chacina e que enfrenta grave situação de pobreza.

“Nas conversas, ficou evidente que as políticas públicas existentes são bastante insuficientes para dar conta de tantos problemas. E a pandemia agrava esses problemas pré-existentes. Algumas ações são emergenciais e vamos agir para cobrar do Estado que aja logo para resolver a falta de água potável, de coleta do lixo, o combate aos raros, e a oferta de assistência social e de atendimento psicossocial”, disse Renata.

Advertisement

Leia também

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

10 coisas que só quem anda de ônibus no RJ vai entender

Além disso, a deputada afirmou: “Precisamos nos esforçar para encontrar soluções para os problemas estruturais, como o saneamento e a questão da moradia, por exemplo. Não dá para naturalizar a desigualdade e a miséria como se fossem problemas insolúveis”.

No Jacarezinho, onde vivem cerca de 50 mil pessoas, apenas 22 mil estão cadastradas na única Clínica da Família. De acordo com a equipe do Consultório de Rua, há ainda na comunidade pelo menos cerca de 2 mil pessoas em situação de rua, por causas como o desemprego, o despejo e a dependência química. 

Na visita, Renata foi acompanhada pelos deputados Waldeck e Zeidan, que são membros da Comissão Especial, e de representantes da Defensoria Pública, o ouvidor Guilherme Pimentel, e da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, Vanessa Lima. 

Essa foi a quarta comunidade visitada pela Comissão desde a sua instalação, em março, além da Maré, no Rio, e de favelas em São João de Meriti e Teresópolis.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Deputada visita o Jacarezinho e afirma que a chacina é expressão da miséria

Advertisement

8 COMENTÁRIOS

  1. É fato que pobreza não é sinônimo de bandidagem, mas se a grande maioria nossos políticos não roubassem, não fossem corruptos, não fossem indignos do mandato que exercem, a nossa realidade seria outra.

  2. Chacina??? Essa aí sem dúvida alguma é aquele tipo que apoia vagabundo e defende o narcotráfico. E depois vem dizer que são vítimas da sociedade. NOJO desse tipo de gente!

  3. Gostaria que a honorável deputada relate para comunidade do Jacarézinho quais os projetos enviados ao legislativo por ela e sua banacada para minimizar as necessidades desta comunidade. Pois conforme ela cita os problemas eram pré existentes e ela então teria conhecimento desde quando se candidatou ao cargo. Fala Deputada!

  4. Excelente reportagem com fatos importantes a serem levados ao público na busca de uma solução para integrar essa população carente de recursos humanitários mínimos e dignos. A comissão da ALERJ, pelas palavras da Deputada, parece empenhada nessa solução. Não se trata de apenas criticar as ações de segurança pública ocorridas mas perceber a existência de seres humanos em total abandono que por essa razão podem não justificar mas conseguem explicar a presença do poder paralelo marginal dominando a comunidade.

  5. Deputada, a Senhora pelo jeito não tem costume de andar pelas ruas da zona norte do Rio de Janeiro. Só agora fez visita a uma comunidade? Por favor, use o seu mandato para fazer políticas públicas direcionada a cidadania, use o seu mandato para obrigar os clubes de futebol que ganharam terrenos públicos para fazerem ações esportivas de 2 a 6 feira é a contrapartida, use seu mandato para criar políticas públicas para favorecer os pequenos empresários. Nessa região em 20 anos, muitas fábricas pequenas fecharam e a bandidagem tomou conta

  6. Está senhora foi visitar a família do fotógrafo morto pelos traficantes?

    Está senhora não estudou o básico e é muito novinha.

    Não é porque tem miséria é que vai ter violência.

    Na Índia tem miséria, mas não traficantes matando pessoas inocentes.

    Este é o problema do Brasil,os ignorantes estudados.

    • Ignorantes que se acham estudados!!!A educação q essa daí pegou deve ser “primorosa”!!!!Educação “meia-sola”,é pior q nenhuma educação, tem muito mais analfabeto com espírito bom,com mais bom senso,por mera intuição,q gentalha q acha q estudou,mas só teve o seu cérebro fraco lavado e enxaguado por professorecos militantes!!Estamos na segunda geração dessa espécie de “educadores” quinta!!É muito “direichtos”,nenhum dever….é uma escória de fazer gosto!!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui