Foto: Reprodução internet

A diástase do músculo da barriga (conhecido como reto abdominal) é uma manifestação clínica visível do meio do abdômen, onde se observa uma abertura ou abaulamento da região, principalmente durante esforços. Ela ocorre mais comumente em mulheres que passaram por diversas gestações, pois o aumento do útero típico da gravidez, acaba “empurrando” os músculos abdominais para os lados. Outras causas de diástase do reto abdominal, podem ser: excesso de peso, desnutrição e aumento da pressão intra-abdominal (devido a um tumor, por exemplo).

O músculo reto abdominal funciona como duas longas cintas que sustentam a região anterior do abdômen, desde o processo xifoide (parte de baixo do osso do peito) até o osso púbico (parte do meio da bacia). Quando os dois músculos se distanciam, a parte entre eles fica sem sustentação e acaba abaulando a região.

Esta separação do músculo reto abdominal pode comprometer a estabilidade corporal e a mobilidade, contribuindo para o aparecimento de dor nas costas, comprometendo a postura, além de problemas estéticos.

Além do exame físico realizado pelo seu médico, o ultrassom e tomografia são exames que comprovam e medem com mais detalhes o local e extensão da diástase. Esses exames são solicitados pelo convênio médico da paciente caso deseje realizar o tratamento clínico ou cirúrgico da moléstia.

Existem muitos graus de diástase e os tratamentos são sempre personalizados para cada caso. Pode existir hérnia no local da diástase que também deve ser abordada (se existir indicação para isso).

A cirurgia consiste num corte transversal no abdome inferior (como se fosse uma cesariana) com descolamento do tecido até o nível do umbigo ou acima se for necessário. Faz-se uma aproximação dos músculos sendo eles fixados pela aponeurose (uma pele grossa que recobre a musculatura abdominal como se fosse uma cinta). Esta cirurgia também é estética pois diminui o volume do abdome e define a cintura da paciente. Nesses casos ela é associada a uma miniabdominoplastia ou a uma abdominoplastia clássica.

É cirurgião plástico, Mestre em Cirurgia pela UNIRIO; Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica; Professor do Instituto Carlos Chagas, UNIRIO e Univ. Santa Úrsula; Membro da Associação dos Ex-Alunos do Prof. Ivo Pitanguy. CRM: 5238044-3

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui