Dos sanduíches às mascotes, o Gordon foi a marca registrada do Rio nas décadas de 1970 e 80

O criador da marca foi Gordon Simmonds que, apesar do nome gringo, era carioca. A lanchonete era um ponto de encontro da juventude do Rio de Janeiro

Entrada da lanchonete Gordon / Foto: O Rio Antigo

Uma fêmea de canguru e o seu adorável filhote em seu marsúpio (bolsa).  Esses eram as mascotes da lendária e saudosa lanchonete Gordon, fundada em 1968.

O criador da marca foi Gordon Simmonds que, apesar do nome gringo, era carioca. A lanchonete era um ponto de encontro da juventude do Rio de Janeiro, que nela se encontrava para conversar, paquerar e comer os seus deliciosos sanduíches.

Os que viveram tais tempos se lembram dos apetitosos lanches, com nomes para lá de originais. Entre eles destacavam-se: Toreador, Goleiro, Angélico e Diabólico! Além disso, a casa também oferecia crepes com molho curry e rosé e crepe de doce de leite.

As opções de milk shake e sorvete de casquinha também eram atrações à parte e que faziam muito sucesso nos dias quentes do verão carioca. O sorvete de casquinha do Gordon tinha um encanto a mais, pois ao se colocar a cobertura de chocolate quente sobre o sorvete, ela congelava na hora, tornando-se deliciosamente crocante.

A atual geração de cariocas pode até estranhar, mas o Gordon funcionava 24h, e tinha lojas espalhadas pela Zona Sul e Norte da cidade. No  Leblon,funcionava na esquina da Rua Dias Ferreira, (a mais famosa); em Ipanema, na Visconde de Pirajá, próximo à Praça General Osório; e em Copacabana, perto da Rua Siqueira Campos. O Gordon também tinha lojas na Avenida Brasil,no Madureira Shopping, e nas universidades Santa Úrsula (Botafogo) e Gama Filho (Piedade).

O encerramento da rede ocorreu no final da década de 1980 por diversas razões, inclusive pela própria recomposição do mercado de lanchonetes do Rio de Janeiro. Mas uma coisa é certa: quem era jovem ou criança, na época, se lembra do Gordon e da mamãe canguru e o seu simpático filhotinho.

A história da lanchonete Gordon é uma lembrança à mais no Diário do Rio.

Advertisement

3 COMENTÁRIOS

  1. O Gordon era uma delícia,até hoje não me conformo com o seu fechamento,era muito pra.zeroso.Parece que só não reabriu por causa de briga entre os herdeiros.Outra perda muito triste foi a Chaika em Ipanema.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui