Ediel Ribeiro: A arte do encontro

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre encontro de cartunistas em bar na Zona Sul carioca

Encontro de cartunistas no Galeto Sat's , em Botafogo, em dezembro de 2022 - Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Como dizia o poeta Vinicius de Moraes, ”a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”. Ontem, no Sat’s, um boteco encravado na parte mais agitada da rua Real Grandeza, em Botafogo, tivemos mais um encontro de cartunistas cariocas. Mais um desses encontros despretensiosos, feito só pra beber (muito), rever os amigos, jogar conversa fora e – nesses tempos de ”gripezinha” – lembrar dos amigos que partiram.

Houve encontros e desencontros. Chovia muito. Muitos não puderam ir. O carioca parece feito de açúcar: se chove ele não sai de casa. Os que sabiam nadar, foram.

Estavam presentes, Ykenga – o último a chegar – segundo as más línguas (leia-se Amorim), ele veio de Niterói a nado pra não pagar a passagem. Bebeu todas. Não escapou nem a famosa pinga do Sat’s.

Aroeira. Que prazer conversar com o talentoso cartunista e músico de jazz! Inteligente, o moleque! Falamos dos seus trabalhos, dos seus shows e do prazer de tocar por mais de 10 anos na banda dos irmãos Chico e Paulo Caruso.

Rafo Castro. Cartunista grafiteiro e design gráfico. Foi um prazer conhecer o artista e seu trabalho. O cara parece irmão do Amorim, só que com as orelhas furadas.

Carol Andrade, a ”Cospe Fogo”. Já éramos amigos de ”feicibuque”. Foi outra que tive o prazer de conhecer pessoalmente. Bonita, super simpática e talentosa. Fez sucesso, entre ”os meninos”. Ykenga, malandro das antigas, não perdeu tempo, e fez questão de sair de lá com uma foto ao lado da menina.

André Brown. Tem nome de cantor de soul music, mas com a cintura dura. É cartunista, ilustrador e professor de desenho. Fazia um tempão que a gente não se via. É sempre um prazer reencontrá-lo, amigo!

Amorim, o anfitrião. Cartunista, ilustrador e marido da dona Rosana Paula. Foi bom botarmos o papo em dia. Amorim conhece todo mundo. E fala de todo mundo, também. Se sua orelha queimou (você que faltou ao encontro), é porque ele estava falando de você. Bem ou mal.

E eu, este que vos fala. Bebi todas, comi todas – enganado, pensei que era 0800 – revi amigos de longas datas e ainda saí de lá com uma camisa do meu personagem, Fatty, autografada pela turma. Obrigado a todos pelo presente e pelo encontro. Até o próximo!

Jornalista, cartunista, poeta e escritor carioca. É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG) e Diário do Rio (RJ) Autor do livro “Parem as Máquinas! - histórias de cartunistas e seus botecos”. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) dos romances "Sonhos são Azuis" e “Entre Sonhos e Girassóis”. É também autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty", publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ), desde 2003, e criador e editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!"
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui