Ediel Ribeiro: Henfil e o urubu do Flamengo

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre Henfil, mascote do Flamengo

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

Conheci Henfil há uns 50 anos, nas páginas do antigo “Jornal dos Sports”, antes dele ser substituído pelo Nani – outro gênio do cartum – que passou a bola para o Nilson.

Antes de deixar o ‘Cor de Rosa’, Henfil criou os símbolos dos clubes do Rio de Janeiro: o urubu do Flamengo; o “Bacalhau”, do Vasco da Gama; o “Pó de Arroz”, do Fluminense o “Cri Cri”, do Botafogo e o “Gato Pingado”, do América.

Mas, a história dos cartunistas com os clubes do Rio começou bem antes. Quem primeiro lançou os mascotes entre os clubes cariocas foi Lorenzo Molas, um cartunista argentino, radicado no Brasil, que fazia muito sucesso no Rio nos anos 40.

Antes do Henfil, Molas criou as figuras do ‘Popeye’ pro Flamengo, do ‘Almirante’, pro Vasco, do ‘’Cartola, pro Fluminense, e do ‘Pato Donald’, pro Botafogo.

Advertisement

Leia também

Terminal Gentileza começa a operar para população; veja detalhes

Pedro Paulo cada vez mais certo como vice de Eduardo Paes – Bastidores do Rio

O marinheiro Popeye nasceu na década de 1940. A pedido do “Jornal dos Sports”, Molas deu vida ao primeiro mascote rubro-negro inspirado pela semelhança na origem do personagem com o clube, já que ambos “vieram do mar”: o marinheiro Popeye e o Clube de Regatas do Flamengo. Popeye ostentava a fama de reverter adversidades e era forte e persistente como o clube da Gávea. Apesar das coincidências, o marinheiro não caiu nas graças da torcida. Não havia identidade entre os dois.
Henfil, então, abrasileirou os símbolos dos principais clubes cariocas, entre eles, o urubu rubro negro, o mais carioca deles. O urubu do Henfil fez sucesso pra cacete.

A história começou com a provocação dos torcedores do Botafogo aos flamenguistas. Era mais que rixa de futebol: era preconceito contra os pobres, os negros, racismo e discriminação e atingiu seu auge durante uma partida na década de 60.

Apesar de ser um clube originalmente criado em um ambiente da elite carioca, a nova agremiação logo se popularizou e passou a sofrer com o preconceito dos rivais. Como uma forma preconceituosa de ridicularizar a torcida popular, de massa, e em sua grande maioria composta por negros e pessoas de baixa renda, os rubro-negros passaram a ser chamados de “urubus” pelos rivais. A alcunha incomodava.

Às vésperas de um clássico contra o Botafogo, válido pelo segundo turno do Campeonato Carioca daquele ano, quatro torcedores rubro-negros decidiram subverter a origem do apelido.

Na véspera do confronto, Luiz Octávio Vaz, Romilson Meirelles, Victor Ellery e Erick Soledade, fanáticos pelo clube da Gávea, decidiram que iriam levar um urubu para o Maracanã.

O urubu, capturado no depósito de lixo do Caju, foi levado para o Maracanã enrolado em uma bandeira. A intenção era soltá-lo quando a equipe rubro-negra subisse ao gramado.

O Maracanã cheio, com público próximo de 150 mil pessoas, e provocações de lado a lado. Nas arquibancadas do lado direito das cabines de transmissão, os torcedores do Botafogo entoavam o grito de ‘urubu’.
Assustada pelo barulho dos fogos, antes da partida começar, a ave, com uma pequena flâmula rubro-negra amarrada em suas patas, alçou voo do lado flamenguista e rumou em direção aos alvinegros. Ao pousar no gramado levou os torcedores ao êxtase, aos gritos de: “É urubu, é urubu”.

Assim, no dia seguinte, Henfil desenhou no ‘Jornal dos Sports’ um urubu com a camisa do Flamengo, como forma bem-humorada de escancarar a crítica.
Henfil era apaixonado e torcedor fanático do rubro negro. Armando Nogueira, em uma crônica belíssima escreveu:

“Se a política estava na sua pele, o futebol era a sua alma. Henfil tinha verdadeira paixão pela bola e, sobretudo, pelo Flamengo. Era descaradamente Flamengo, e fora do normal, porém na sacrossanta loucura que nos acomete quando somos contaminados pelo brasão do clube do coração.
O Flamengo e o personagem Urubu, derrotaram o ateísmo do Henfil , e fizeram do Zico seu “santo de devoção”. Amava-o tanto que chegou a desenhá-lo como o “Flautista da Gávea”, numa alusão à fábula do flautista de Hamelin. No cartum, Zico tocava seu instrumento musical e era seguido por bolas serelepes” – escreveu o jornalista Armando Nogueira.

Obrigado, Henfil!

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Ediel Ribeiro: Henfil e o urubu do Flamengo

Avatar photo
Jornalista, cartunista, poeta e escritor carioca. É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG) e Diário do Rio (RJ) Autor do livro “Parem as Máquinas! - histórias de cartunistas e seus botecos”. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) dos romances "Sonhos são Azuis" e “Entre Sonhos e Girassóis”. É também autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty", publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ), desde 2003, e criador e editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!"
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui