Edifício Serrador, no Centro do Rio, é vendido à Câmara Municipal por R$ 150 milhões

Venda do imóvel, que tem 24 mil metros quadrados e será a nova sede do Poder Legislativo carioca, foi oficializada nesta quarta (28/12)

Fachada do edifício Francisco Serrador | Foto: Rafa Pereira - Diário do Rio

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro oficializou, nesta quarta-feira (28/12), a compra do Edifício Francisco Serrador, na região central da capital fluminense, que será a nova sede do Poder Legislativo carioca.

O prédio de 24 mil metros quadrados e 23 andares, pertencente ao grupo argentino Sued e administrado pela Sérgio Castro Imóveis, custou R$ 150 milhões aos cofres da Prefeitura. O pagamento ocorre por meio de uma entrada (valor não divulgado) e o saldo restante dividido em 15 parcelas mensais.

Há alguns anos, o Edifício Serrador, localizado na Rua Álvaro Alvim e considerado um dos mais tradicionais do Rio, sediava o grupo EBX, de Eike Batista, mediante pagamento de aluguel. O empresário, inclusive, tentou comprar o imóvel em 2012, por cerca de R$ 400 milhões à época, mas sem sucesso.

Ex-secretário municipal de Planejamento Urbano e especialista em Centro do Rio, o arquiteto e urbanista Washington Fajardo se manifestou recentemente sobre a ida da Câmara para o novo endereço. Segundo ele, trata-se de uma iniciativa atrativa para a região.

”A possiblidade dos vereadores ocuparem o Edifício Serrador para seu uso funcional é uma notícia muito positiva para o Centro do Rio do ponto de vista urbanístico e econômico. Nada melhor do que aproveitar a localização onde se está já instalado. A Cinelândia e a Rua do Passeio precisam deste estímulo”, disse, na ocasião.

Atual sede

Com a ida dos parlamentares para o Serrador, a tendência é que o Palácio Pedro Ernesto, atual sede da Câmara, na Cinelândia, a cerca de 300 metros do novo local, vire uma espécie de centro cultural, com o prédio anexo – que está em mau estado de conservação – sendo devolvido à Prefeitura. O seu histórico plenário, porém, deve continuar a ser utilizado para sessões solenes.

De acordo com os vereadores, o Palácio Pedro Ernesto, construído em 1922, tornou-se pouco espaçoso para abrigar os 51 nomes que compõem a Câmara atualmente, além de não poder ser restaurado à altura de sua qualidade arquitetônica sem ser efetivamente desocupado.

Advertisement

3 COMENTÁRIOS

  1. Tenho certeza que os nobres vereadores não poderiam ficar alocados em prédio mais humilde, com uma vista menos atraente. Deve fazer todo sentido tomarem o Serrador inteiro.

  2. a conferir: quanto custará adequar o espaço para a atividade. Se seguir o exemplo da ALERJ onde se gastou horrores para redesenhar internamente o Edifício Lucio Costa, depois Banerjão e agora Alerjão, pelas proporções do Serrador vai ser um belo gasto. Muita gente para ser alocada.

  3. a conferir: quanto custará adequar o espaço para a atividade. Se seguir o exemplo da ALERJ onde se gastou horrores para redesenhar internamente o Edifício Lucio casta, depois Banerjão e agora Alerjão, pelas proporções do Serrador vai ser um belo gasto. Muita gente para ser alocada.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui