Eduardo Paes sanciona Plano Diretor da cidade do Rio

O Plano Diretor estabelece diretrizes para o ordenamento e o desenvolvimento urbano sustentável do município do Rio de Janeiro pelos próximos 10 anos

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Cruzamento da Avenida Epitácio Pessoa com Rua Visconde de Pirajá, na Zona Sul do Rio de Janeiro - Foto: Rafa Pereira/Diário do Rio

A Lei Complementar 270/2024, que dispõe sobre revisão do Plano Diretor de desenvolvimento urbano e a política ambiental do município do Rio de Janeiro para a próxima década foi sancionada, com vetos, pelo Prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), nesta quarta-feira (17/01), após dois anos de discussões, 34 audiências públicase a análise de mais de mil contribuições populares recebidas via internet.

O texto estabelece diretrizes para o uso e ocupação do solo, regras de zoneamento, índices urbanísticos e áreas de especial interesse social. Estas diretrizes estão articuladas de forma integrada com as áreas econômico-financeiras e administrativas, visando promover um desenvolvimento equilibrado e sustentável para a cidade nos próximos anos.

“Todos foram ouvidos. Tivemos diferentes ideias, partidos diversos, todos tiveram o mesmo espaço. É o exemplo do que acredito como democracia e cuidado com a coisa pública, haja vista a participação ativa da população, do Ministério Público e da nossa procuradoria durante todo o processo legislativo.” ressaltou o Presidente da Câmara Municipal, o Vereador Carlo Caiado (PSD).

Inovações

Advertisement

Leia também

Empresa é condenada pela Justiça por desabamento de edifício na Cinelândia em 2012

Entenda a dinâmica da restrição de caminhões na Avenida Brasil a partir de março

Entre as mudanças trazidas pelo Plano Diretor está o novo zoneamento da cidade do Rio de Janeiro, que passa de quatro para sete macrozonas, e a implementação da Outorga Onerosa do Direito de Construir, que prevê o pagamento de contrapartida para as construções que superarem o Coeficiente de Aproveitamento Básico (CAB) de um terreno, destinando para o coletivo a valorização de imóveis decorrente de uma determinada ação pública.

“A aprovação da Outorga Onerosa para recuperar imóveis e viabilizar investimentos para o fundo de habitação e moradias de interesse social, bem como da mudança do zoneamento, adequando-o à realidade da cidade, vão possibilitar a elaboração de políticas públicas que promovam o desenvolvimento econômico de forma mais sustentável, permitindo que a cidade avance de forma organizada.” pontuou o Presidente da Comissão Especial do Plano Diretor, o Vereador Rafael Aloisio Freitas (Cidadania).

As outras inovações contidas no Plano Diretor são o IPTU Progressivo e o Termo Territorial Coletivo. O primeiro prevê a instituição de uma cobrança para imóveis vazios e subutilizados com o objetivo de revitalizar áreas vazias. No texto, os proprietários desses locais, após serem notificados e não cumprirem a obrigação de dar destinação ao imóvel, terão um acréscimo nos valores do IPTU anual por até cinco anos, podendo chegar até mesmo à desapropriação do imóvel.

Já o Termo Territorial Coletivo caracteriza-se pela gestão coletiva da propriedade de terra com a titularidade individual das construções em comunidades e assentamentos irregulares. O objetivo é prevenir contra especulações imobiliárias e remoções, mantendo as decisões sobre o local nas mãos da própria comunidade.

Apoio Técnico

Para auxiliar parlamentares e suas equipes com assessoramento técnico, a Câmara do Rio firmou uma parceria com o Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam) para atuar de forma consultiva, ajudando a organizar as propostas e consolidar as emendas parlamentares. Das mais de 1.200 emendas apresentadas, cerca de 400 foram aprovadas e incluídas no projeto enviado para autógrafo do Poder Excutivo.

Foco nas Favelas 

A Ex-Presidente da Comissão de Assuntos Urbanos da Câmara do Rio, a Vereadora Tainá de Paula (PT), que está licenciada, chamou a atenção para um ineditismo deste Plano Diretor. “Sou uma arquiteta e urbanista que há 20 anos trabalho neste tema na cidade do Rio de Janeiro e no Brasil. E nunca na história da cidade o Plano Diretor se dedicou ao planejamento urbano das favelas. E finalmente, foi inserido um capítulo sobre elas como uma unidade que merece respeito e dignidade. Isso é fundamental porque vai orientar para onde vão os recursos do Fundo de Habitação e do Fundurb.” celebrou.

Vetos

Paes vetou 77 dispositivos aprovados pelos parlamentares alegando, de forma geral, vício de iniciativa. Entre eles, foi vetado o artigo sobre instalação de clubes e estandes de tiro; o que previa prioridade a famílias chefiadas por mulheres, populações negras, indígenas, LGBTQIAP+ e minorias sociais no capítulo da Locação Social; e a determinação segundo a qual a criação de novas unidades de conservação precisaria passar pela Câmara do Rio. 

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Eduardo Paes sanciona Plano Diretor da cidade do Rio

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui