‘Elle, Marielle Franco’ será exibido pela primeira vez na Suíça e chega ao 25º país onde o filme circula

Curta participa do evento Pont.E que realizará uma mostra de obras em homenagem a vereadora brutalmente assassinada no Rio de Janeiro

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Crédito: Ana Godeiro

“Não serei interrompida, vai ter que aturar mulher negra, trans, lésbica, ocupando a diversidade dos espaços.” A voz de Marielle Franco ecoa no filme assinado por Liliane Mutti e Daniela Ramalho, que será exibido no dia 29/02, quinta-feira, em Lausanne, na Suíça, abrindo a mostra que homenageará Marielle Franco, suas lutas, trajetória e legado. A mostra, promovida pela Association Le Renversé, tem como objetivo promover o intercâmbio entre as culturas dos dois países, o Brasil e a Suíça, por meio do cinema.

“Elle, Marielle Franco” é um filme-ensaio, narrado por áudios em primeira pessoa pelos pais de Marielle Franco e ela mesma, como o do trecho do seu discurso de posse como vereadora do Rio de Janeiro: “A gente tem lado, tem classe e tem identificação de gênero”. No curta, a voz de Marielle alterna com a voz da sua mãe, Marinete, e de seu pai, Antônio da Silva.

Advertisement

Durante a visita de seus pais à Paris, eles participaram junto a filha de Marielle, da inauguração do jardim “Marielle Franco”, quando pediram justiça para Marielle e seu motorista Anderson, brutalmente assassinado no Rio de Janeiro. À época, a família foi convidada pela prefeitura de Paris para inauguração do jardim público, localizado no 10ème arrondissement de Paris, entre a Estação Gare de L’Est e o Canal Saint Martin.

“E ver seu Antonio e dona Marinete, pais de Marielle, narrando a dor da ausência da filha e a sua luta incansável por justiça me dá um nó no peito. Quanto de potência foi arrancada da sua família e de todos nós? São perguntas que ficam sem resposta e o filme tenta trazer a ferida desse silêncio”, afirmou a cineasta. “O ‘Elle’ existe porque Marielle continua existindo em cada uma de nós que fazemos do cinema nossa re-existência e, através dele, lutamos por justiça, por cada vida interrompida. O filme carrega essa dor, especialmente a imensa dor da família de Marielle. É um filme de 2021, que continua a circular pelo mundo, enriquecendo rodas de debates em vários idiomas sobre feminicídio e tantos temas urgentes, como a violência contra a comunidade LGBTQIA+”, destaca a cineasta Liliane Mutti.

O filme reúne ainda imagens de arquivo, a partir do acervo da família de Marielle, de diversas fases da vida da vereadora, materializando o sentimento da vida interrompida. A obra revela Marielle criança, depois se formando na universidade com a bandeira do Brasil, até sua posse como vereadora do Rio de Janeiro e discursando na Câmara, com a presença de Indianara e de mulheres trans da Casa Nem.

Segundo Liliane, “Participar do “PontE”, um evento de circulação do cinema latino-americano na Suíça é de uma potência imensa, de romper fronteiras e levar o grito por justiça à Marielle para os cantos do mundo”. A iniciativa do PontE é da cineasta pernambucana Tila Chitunda, responsável pela curadoria e seleção dos filmes.

Sobre “Elle, Marielle Franco” e o Jardim “Marielle Franco”

O Jardim Marielle Franco – onde se passa no filme – foi inaugurado por uma iniciativa da prefeita de Paris, Anne Hidalgo, a partir de uma demanda de associações brasilianistas como a RED.br (Rede Europeia pela Democracia no Brasil), a Mulheres da Resistência e a Autres Brésils. O filme foi realizado de forma colaborativa e voluntária pelos membros da Associação Ciné Nova Bossa e o Coletivo Ubuntu Audiovisual, e apoiado pelas produtoras Toca (BR) e Filmz (FR), com distribuição do Centre Simone de Beauvoir. “Elle, Marielle Franco” já percorreu diversos festivais e circuitos internacionais, entre eles: Brésil en Mouvement (Paris), Festival Rainbow (Ceará), Digo (Goiás), MujerDoc (Espanha), Imaginária (Itália), Cineffable (Festival Internacional dos Filmes Lésbicos e Feministas de Paris), e o prestigioso Festival de Caminho de Cinema, sediado em Coimbra, Portugal. “Elle, Marielle Franco” foi o único curta documentário e único filme brasileiro dirigido por mulheres na sua estreia na 28ª edição do Festival Chéries Chéris, no ano da sua estreia, em 2022, em Paris.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp 'Elle, Marielle Franco' será exibido pela primeira vez na Suíça e chega ao 25º país onde o filme circula
Advertisement
lapa dos mercadores 2024 'Elle, Marielle Franco' será exibido pela primeira vez na Suíça e chega ao 25º país onde o filme circula
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui