Em 68 anos de existência, Defensoria Pública do Rio terá uma mulher como titular pela 1ª vez

Na listra tríplice, Patricia Cardoso recebeu 46,59% da votação. Seguida por Suyan Liberatori, com 30,6%; e Sheila Soares, com 22,79%

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Defensoria Pública

Em 68 anos de existência, a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro terá uma mulher como titular. A defensora Patrícia Cardoso, poderá assumir o posto no lugar do Defensor Geral do Estado, Rodrigo Pacheco. Patricia é uma das três candidatas que compunham a lista tríplice que foi votada, no dia 4, por seus colegas da ativa e aposentadas.

Patricia Cardoso, que recebeu 46,59%, dos 1.115 votos, concorreu com dois grandes nomes da Defensoria Pública do Estado: Suyan Liberatori, que obteve 30,6% da votação; e Sheila Soares, que recebeu 22,79% dos votos. Segundo o colunista Cláudio Magnavita, do Correio da Manhã, a vencedora do pleito contaria com a simpatia e apoio de Rodrigo Pacheco, a quem pode suceder.

O governador Claudio Castro (PL) terá 15 dias, a partir do recebimento da lista tríplice, para publicar a nomeação da vencedora no Diário Oficial do Estado. O que ocorrerá somente após o término das suas férias com a família. O governador pode adotar o critério de escolher a candidata mais votada, o que não é obrigatório.

De acordo com Magnavita, as três candidatas são extremamente preparadas para o posto. Os currículos das concorrentes revelam que a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro conta com quadros de altíssimo nível para a sua direção.

Advertisement

Defensora pública desde 1994, Patrícia Cardoso Maciel Tavares é graduada em Direito pela Universidade Gama Filho, tendo sido professora e coordenadora do curso de Direito da Universidade Estácio de Sá, entre 1998 e 2010. Desde 2011, a defensora encabeça o Núcleo de Defesa do Consumidor (NUDECON), tendo sido, em 2013, subcoordenadora de superendividamento e coordenadora da mesma divisão, de 2015 a 2020. Em 2020 passou a exercer a função de coordenadora cível da Defensoria.

Defensora pública há 25 anos, Suyan Liberatori é mestra em processo penal e criminologia pela Universidade Cândido Mendes. No momento, Liberatori é defensora pública titular da 6ª/28ª Varas Cíveis da Comarca da Capital, onde atua há mais de 10 anos. Ao longo da carreira atuou em cidades do interior, da Baixada Fluminense e na capital fluminense. Ela também trabalhou na Auditoria Militar.

Sheila Soares conta com 29 anos de serviços prestados à população fluminense, através Defensoria do Rio, onde ocupou diversos cargos de destaque e liderança. Atualmente, a defensora integra o Conselho Superior da Defensoria, além de atuar em duas varas cíveis e na Vara de Fazenda Pública. Sheila Soares foi ainda ouvidora da Caixa de Assistência aos membros da Defensoria (CAMARJ). Se escolhida por Cláudio Castro, a defensora será a primeira mulher negra a ocupar o cargo de defensora pública-geral do Rio de Janeiro.

As informações são de Cláudio Magnavita, do Correio da Manhã.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Em 68 anos de existência, Defensoria Pública do Rio terá uma mulher como titular pela 1ª vez
Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. parabéns a Patricia Cardoso. Ao mesmo tempo, a matéria revela uma vergonha: a demora de 68 anos pra se ter uma mulher COMPETENTE no cargo. Porque “competente” há muitas nesse Estado, certo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui